Última hora

Última hora

Chile: Bachelet toma posse com Portas e Rousseff a assistir

Em leitura:

Chile: Bachelet toma posse com Portas e Rousseff a assistir

Tamanho do texto Aa Aa

Michele Bachelet tomou posse esta terça-feira como Presidente do Chile, cargo quer já havia ocupado entre 2006 e 2010. Aos 62 anos, a nova chefe de Estado chilena sucede no cargo a Sebastián Piñera, que lhe passou a estrela de cinco pontas que simboliza o poder presidencial no país.

Paulo Portas foi um dos muitos ilustres convidados presentes na cerimónia que começou no Senado, na cidade Valparaíso, e terminou pela tarde no Palácio presidencial de La Moneda, na capital Santiago do Chile. Para lá, do vice-primeiro-ministro português destaque também para as presenças de Dilma Rousseff e Cristina Kirchner, as presidentes, respetivamente, dos vizinhos Brasil e Argentina.

Foi ao lado da mãe, Angela Jeria, que Maria Bachelet proferiu o primeiro discurso oficial como nova presidente do Chile. Perante milhares de pessoas, a chefe de Estado fixou as prioridades do novo mandato: a educação e o equilíbrio social.

“Eu sei por experiência própria o que a educação pública pode dar a uma pessoa. Eu sou filha da educação pública e o meu compromisso é que no Chile todos tenhamos as mesmas oportunidades.
O Chile só tem um grande adversário e esse chama-se desigualdade. Somente unidos podemos enfrenta-la”, disse, no seu primeiro discurso oficial, no qual prometeu ainda “fazer do Chile uma pátria melhor e não só uma lista de números e estatísticas.”

Michele Bachelet recebeu a faixa presidencial das mãos da também socialista Isabel Allende. A filha do antigo presidente Salvador Allende, deposto e assassinado em 1973, também tomou posse esta terça-feira como presidente do Senado.

Pela primeira vez na história, o Chile conta com duas mulheres em simultâneo a liderar o Estado e a Câmara Alta do parlamento.

À margem da tomada de posse, a agenda de Paulo Portas no Chile incluiu vários encontros entre segunda e terça-feira com vários governantes latino-americanos, além claro da própria Michele Bachelet e do antecessor da chilena, Sebastián Piñera. O objetivo era só um: aprofundar as relações bilaterais e multilaterais de Portugal na região.