Última hora

Última hora

Liga dos Campeões: Barcelona e PSG não se deixam surpreender

Em leitura:

Liga dos Campeões: Barcelona e PSG não se deixam surpreender

Tamanho do texto Aa Aa

Não houve lugar a surpresas nos jogos de quarta-feira na Liga dos Campeões. Barcelona e Paris Saint-Germain não sentiram grandes dificuldades para garantir um lugar nos quartos-de-final. Um cenário mais que previsível, uma vez que ambas as formações tinham ganho em casa dos seus adversários na primeira mão.

No Camp Nou, o Barcelona foi sempre mais forte que o Manchester City e podia ter construído uma vitória folgada. Ficou-se pelo 2-1.

O vendaval ofensivo de Iniesta, Neymar e Messi pôs a nu a fragilidade defensiva dos ingleses, que nem o excesso de agressividade (no mau sentido) conseguiu disfarçar.

O golo foi sendo sucessivamente adiado, quer por falta de pontaria dos atacantes, quer pela noite inspirada de Joe Hart. Quando tudo isso falhou, Stéphane Lannoy deu uma ajuda.

O árbitro francês teve uma atuação desastrada no primeiro tempo, deixando passar um penálti claro sobre Messi e anulando um golo limpo a Neymar.

O City tentava incomodar, uma inevitabilidade dada a qualidade individual dos seus atacantes. Conseguiram incomodar Valdés mas o guarda-redes respondeu sempre à altura.

O único golo da partida foi apontado aos 67 minutos. Lionel Messi aproveitou (mais) uma falha de Joleon Lescott e isolado perante Joe Hart não desperdiçou.

Mesmo em desvantagem, os ingleses nunca conseguiram partir para cima do Barcelona. Têm também razões de queixa da arbitragem. Edin Džeko foi carregado em falta na área espanhola, o árbitro francês voltou a nada assinalar. Na sequência dos protestos, Pablo Zabaleta viu o segundo cartão amarelo.

O golo de Vincent Kompany, a um minuto dos noventa e em posição irregular, não passou de uma fraca consolação. Dani Alves ainda foi a tempo de dar a vitória aos espanhóis.

O Barcelona até pode estar em crise a nível doméstico mas continua a ser uma das melhores equipas na Europa. No conjunto dos dois jogos foi incomparavelmente superior aos citizens.

Quanto ao Manchester City, se isto é do melhor que a Premier League tem para oferecer, então não há forma de o esconder: o futebol inglês atravessa uma crise profunda.

*Um susto muito pequenino *

O jogo do Parque dos Príncipes não passava de uma formalidade depois da vitória do Paris Saint-Germain por 4-0 em Leverkusen.

Ferido no orgulho, o Bayer fez questão de se despedir da competição com uma melhor imagem. Abriram o marcador logo aos 6 minutos por Sidney Sam mas a vantagem não durou muito tempo.

Sete minutos depois, Marquinhos restabeleceu a igualdade. Os alemães ainda tiveram uma oportunidade de ouro para voltar a colocar-se na frente do marcador mas Simon Rolfes desperdiçou uma grande penalidade.

Já no segundo tempo, Ezequiel Lavezzi apontou o golo da vitória dos franceses. Sem fazerem uma exibição de encher o olho, mostraram que são um nome a ter conta na luta pelo título europeu. Já os alemães, podem dar-se por satisfeitos por terem chegado tão longe.