Última hora

Última hora

Hitler ordena a destruição de Paris em "Diplomatie"

Em leitura:

Hitler ordena a destruição de Paris em "Diplomatie"

Tamanho do texto Aa Aa

Na noite de 24 para 25 de agosto de 1944, o general “Dietrich von Cholitz” prepara-se para destruir Paris. Era essa a ordem vinda diretamente de “Adolf Hitler”, que não queria ver a capital francesa cair incólume nas mãos dos então inimigos da Alemanha. Os principais monumentos da Cidade Luz estão armadilhados. A diplomacia do cônsul da Suécia, “Raoul Nordling”, que encontra “Cholitz” no hotel Meurice, estara no centro da trama de “Diplomatie”, a produção franco-alemã realizada pelo germânico Volker Schlöndorff, que agora chega às salas de cinema.

O filme foi apresentado no Berlinale, o Festival de Cinema de Berlim e transporta-nos para o ambiente bélico da II Guerra Mundial, numa altura em que os aliados começavam a ganhar território às forças alemãs. As personagens do filme foram reais, mas a história é uma ficção.

Palma de Ouro em Cannes, em 1979, e vencedor de um Óscar para filme de língua estrangeira, em 1980, por “O Tambor”, Schlöndorff diz que de “Diplomatie” se pode esperar exatamente um filme explicado pelo próprio título: “É um enorme esforço de diplomacia para tentar colocar o general de joelhos.”

“Este é um filme de ação. Mostra-nos também a arte de filmar e contracenar. Com o Niels Arestrup e o Andrè Dussolier, temos grandes atores que nos colocam como que a ver um combate de boxe de desfecho imprevisível”, destaca o realizador alemão, de 74 anos.

“Diplomatie” estreia este mês em França e na Bélgica. A Portugal, está previsto chegar a 17 de abril, presume-se que com o título traduzido simplesmente para “Diplomacia.”