Última hora

Última hora

Big Bang: A prova que faltava

Em leitura:

Big Bang: A prova que faltava

Tamanho do texto Aa Aa

O Big Bang já não é só uma teoria. Os cientistas têm agora uma prova da grande explosão que deu origem ao Universo.

O telescópio instalado no Polo Sul conseguiu captar as chamadas ondas gravitacionais primordiais, de que Einstein já falava na teoria da relatividade, reforçadas pela teoria do Big Bang elaborada em 1979 por Alan Guth.

“Esta descoberta é o elo que faltava, era algo que sabíamos que estava lá algures, mas não tínhamos a certeza e andávamos à procura das provas há duas décadas. Não é só um ponto marcado, é um verdadeiro grand slam. É a prova absoluta”, diz Marc Kamionkowski, físico teórico da Universidade Johns Hopkins (EUA).

Mordecai-Mark Mac Low, responável pelo departamento de astrofísica do Museu Americano de História Natural explica melhor o que foi descoberto: “O que foi anunciado agora é uma prova por observação direta da teoria segundo a qual o Universo cresceu a partir de algo do tamanho de um átomo. Numa ínfima fração de segundo, esse átomo cresceu para algo do tamanho de uma bola de basquetebol”.

A descoberta é o resultado de uma pesquisa de longos anos feita pela equipa responsável pelo telescópio do Polo Sul.

Os cientistas consideram-na uma prova irrefutável da teoria da inflação e do crescimento rápido do Universo. Confirma também que existe uma relação entre a teoria da relatividade geral e a mecânica quântica.