Última hora

Última hora

NBA: Phil Jackson está de volta mas como presidente dos Knicks

Em leitura:

NBA: Phil Jackson está de volta mas como presidente dos Knicks

Tamanho do texto Aa Aa

Phil Jackson está de volta à NBA. Aos 68 anos, aquele a que alguns apelidam como “o mestre do basquetebol” é, desta feita, o novo presidente dos New York Knicks

Aos sessenta e oito anos, o antigo treinador seis vezes campeão pelos Chicago Bulls e cinco pelos pelos LA Lakers, desta feita, é o novo presidente dos New York Knickerbockers, que é mesmo que dizer, o “patrão” dos Knicks, uma das fundadoras e das mais emblemáticas equipas da National Basketball Association (NBA) ou liga de basquetebol profissional norte-americana.

Criada em 1946, em todo o historial da prova, os New York Knicks apenas conquistaram dois “anéis” de campeão. Ambos, curiosamente, com Phil Jackson a fazer parte da equipa, como extremo-poste, e celebrados em 1970 e 1973. Há mais de 40 anos, portanto.

O novo presidente dos Knicks terá, nesta primeira experiência como dirigente, um controlo total da gestão desportiva da equipa profissional, a qual, a poucas semanas do final da época regular, já estão fora do “play off”, ocupando o nono lugar da Conferência Este.

Conhecido também como “Mestre Zen”, Jackson regressa como dirigente, mas a veia de treinador mantém-se bem presente, como se viu no discurso que proferiu em pleno Madison Square Garden. “Queremos construir aqui algumas coisas que são importantes para os jogadores de basquetebol. Queremos desenvolver um registo de saúde em que haja menos lesões e desenvolver uma mentalidade focada na capacidade e um sistema em que é a bola que circula, os passes são feitos e os jogadores procurem diagonais para criar oportunidades para os colegas de equipa. Isto são aspetos que são importantes para mim”, disse Phil Jackson.

A estrelinha de campeão do agora presidente é a aposta dos donos dos Knicks para colocar a equipa na rota perdida dos títulos. Phil Jackson, que assina por cinco anos e vai receber 12 milhões de dólares por ano (mais coisa menos coisa, os mesmos 8,5 milhões de euros que Villas-Boas vai receber no Zenit de São Petersburgo) assume a responsabilidade e deixou como promessa aos adeptos também um género de aviso à concorrência: “Sei o que é ganhar nesta cidade e assumo a tarefa de dar aos nossos fãs uma equipa vencedora.”