Última hora

Última hora

Big Bang intercetado

Em leitura:

Big Bang intercetado

Tamanho do texto Aa Aa

Os “ecos” do Big Bang, ou Grande Explosão, que os cientistas acreditam ter acontecido há cerca de 14 mil milhões de anos, parecem ter sido identificados. É o que afirmam os cientistas.

Os cosmólogos parecem ter encontrado novas evidências em defesa desta teoria cosmológica, uma descoberta que impressionou a opinião pública e o mundo científico.

Os investigadores acreditam ter encontrado o sinal deixado no céu pela super-rápida expansão do espaço que deve ter ocorrido apenas algumas frações de segundos antes que tudo tenha passado a existir.

Uma equipa internacional de astrofísicos usou o telescópio BICEP, instalado no Pólo Sul, para medir a radiação deixada pelo Big Bang. Pela primeira vez, dizem ter encontrado os ecos das ondas gravitacionais primordiais que consideram ser os “ecos” da inflação inicial do Universo

Segundo o astrofísico Marc Kamionkowski, está encontrado finalmente o elo que faltava:
“Esta descoberta é o elo que faltava à cosmologia, é algo que pensávamos existir, sem termos a prova, algo que durante quase duas décadas ansiavamos encontrar.”

Este resultado prova que Albert Einstein tinha razão. A existência de ondulações no espaço-tempo foi pela primeira vez prevista pela sua Teoria da Relatividade Geral. Ninguém tinha conseguido, porém, medir diretamente estas ondas gravitacionais, apesar de experiências complexas feitas em todo o mundo.

As implicações desta descoberta são profundas – a existência destas ondas gravitacionais é, na opinião dos cientistas, a prova conclusiva de que mostra a evidência da controversa teoria da inflação cósmica, segundo a qual na origem do Universo terá sido originado por uma brutal explosão que criou o espaço e o tempo.

“O universo observável surgiu com o tamanho de um átomo, do qual passou numa fração de segundos ao tamanho de uma bola de basquete. A teoria da inflação cósmica era algo que durante cerca de trinta anos não passava de uma hipótese. Agora encontrámos confirmação para algo que era previsto por esta teoria”, explicou o astrofísico Mark Mac.

Vão seguir-se por certo outras experiências, para tentar replicar esta descoberta. Este campo de investigação parece ter o prémio Noberl garantido.