Última hora

Última hora

União Bancária europeia recebe luz verde com BCE em destaque

Em leitura:

União Bancária europeia recebe luz verde com BCE em destaque

Tamanho do texto Aa Aa

O Banco Central Europeu (BCE) vai ser o grande protagonista do finalmente acordado projeto da união bancária europeia. O acordo foi alcançado às primeiras horas desta quinta-feira, após uma madrugada de árduas negociações entre o Parlamento Europeu e os 28 Estados Membros da União Europeia. Definido ficou já a criação de um fundo avaliado em 55 mil milhões de euros de apoio para os bancos que venham a necessitar de ajuda.

Vai caber ao BCE a regulação central de todos os bancos da União Europeia – de Portugal à Finlândia. Quando houver problemas, será também o BCE a decidir quais os bancos a serem liquidados e quais os que podem ser resgatados, recorrendo ao fundo.

Para o comissário europeu dos Serviços e Mercado Interno, Michel Barnier, o projeto agora acordado representa uma revolução no setor bancário europeu. “Estou absolutamente convencido de que esta reforma da união bancária vai representar uma reforma no sistema bancário europeu. Vai ser, provavelmente, a mais importante reforma para nós, europeus, desde a criação do euro”, anteviu o francês.

O fundo a ser criado terá cerca de 55 mil milhões de euros provenientes dos próprios bancos. O dinheiro será amealhado ao longo dos próximos oito anos – e não dez, como inicialmente estava a ser negociado.

Esse fundo terá como objetivo evitar uma nova crise bancária como a que levou ao tapete países como Portugal ou a Espanha através, por exemplo, dos casos, respetivamente, do BPN e do Bankia. Dois casos, entre outros, que motivaram fortes protestos populares, em especial, contra o recurso a fundos públicos para salvar os bancos em apuros.

A nova união bancária, regulada pelo BCE, visa evitar exatamente esse recurso ao bolso dos contribuintes e, ao mesmo tempo, recuperar a confiança dos consumidores no sistema bancário europeu.

Para a União Bancária nascer só fica a faltar ratificação do acordo, que deverá acontecer na sessão plenária europeia marcada para abril.