Última hora

Última hora

Primeiro-ministro da Ucrânia: "Não é aceitável começar uma 3ª Guerra Mundial"

Em leitura:

Primeiro-ministro da Ucrânia: "Não é aceitável começar uma 3ª Guerra Mundial"

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseni Yatseniuk, garante que avançar com uma resposta militar contra a Rússia iria desencadear a 3ª Guerra Mundial, “o que não é aceitável”. Yatseniuk defende que “ melhor forma de lidar com a Rússia é impondo verdadeiras sanções económicas. Porque nesta altura os russos estão a vender gás e petróleo, sobretudo para a União Europeia, ganham euros, dolares e libras e comprarm armas, veículos blindados e tanques e invadem um país independente.”

Estas declarações foram feitas pelo chefe do executivo de Kiev depois da assinatura da parte política do acordo de parceria entre a União Europeia e a Ucrânia em Bruxelas. O presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy considera que “este documento reconhece as aspirações do povo ucraniano de viver num país governado por valores, pela democracia e pela lei, onde os cidadãos podem esperar a prosperidade nacional”

A União Europeia ainda pretende enviar um sinal de protesto ao Presidente russo contra a recente anexação da Crimeia e Sebastopol.

Esta sexta-feira foram apenas assinados os pontos políticos do acordo entre a UE e a Ucrânia. Mas as partes substanciais do documento só vão ser ratificadas após as eleições presidenciais marcadas para 25 de Maio. Este acordo prevê a cooperação política e económica, incluíndo a política externa, a energia e o nuclear e a cooperação judiciária. Está ainda previsto o estabelecimento de um espaço de comércio livre, sujeito a negociações sobre a política de vistos.

Recorde-se que em novembro de 2013, na Cimeira da Parceria Oriental, o ex-presidente ucraniano se recusou a assinar este acordo com a União Europeia depois de pressionado pela Rússia para não o fazer. Uma situação fez despoltar toda a crise na no país.
Parte da população saiu às ruas de Kiev, Viktor Yanukovich respondeu com o exército, mas em fevereiro o regime do presidente acabou por cair.