Última hora

Última hora

Iulia Timochenko na corrida à presidência, Vitali Klitchko renunciou

Em leitura:

Iulia Timochenko na corrida à presidência, Vitali Klitchko renunciou

Tamanho do texto Aa Aa

Na Ucrânia, Iulia Timochenko avança para a corrida à presidência. Este sábado, o congresso do seu partido, deverá confirmar oficialmente a candidatura da ex-primeira-ministra às eleições de 25 de maio.

Uma sondagem recente dava a Timochenko 8% das intenções de voto, atrás de Vitali Klitchko, com 9%, e do favorito, o empresário Petro Porochenko, com 25%.

Entretanto, Vitali Klitchko decidiu renunciar à sua candidatura, optando por apoiar Petro Porochenko. Este sábado em Kiev, no congresso do seu partido, o Udar, Klitchko explicou porquê:
“Disse sempre que o candidato deveria ser aquele que reunisse o maior apoio, as maiores chances de vitória.
Estou convencido que este candidato é Petro Poroshenko”.

Esta frente comum entre Klitchko e o ex-ministro da Economia, tem uma intenção clara: cortar o caminho a Iulia Timochenko.

Quem quer que vença as eleições de dia 25 de maio, terá de enfrentar uma tarefa difícil. O empréstimo de 19 milhões e meio de euros proposto a Kiev pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), nos próximos dois anos, implica pesadas medidas de austeridade.

A situação de bancarrota eminente foi confimada recentemente pelo primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk.

O FMI frisou que “os desequilíbrios macroeconómicos da Ucrânia alcançaram níveis insustentáveis”, com o défice em conta corrente superior a 9% do PIB em 2013 e “um estancamento das exportações e do PIB”.

Entre os sacrifícios exigidos pelo FMI, está um aumento em 50 por cento do gás, a subida de impostos e o congelamento do salário mínimo.