Última hora

Última hora

Ucrânia pode negociar se a Rússia deixar a Crimeia

Em leitura:

Ucrânia pode negociar se a Rússia deixar a Crimeia

Tamanho do texto Aa Aa

O candidato às eleições presidenciais ucranianas, Petro Poroshenko prestou homenagem, este domingo, aos mortos, durante os protestos em Maidan.

Foi a oportunidade para uma pequena caminhada, para reforçar a sua posição de favorito. As sondagens atribuem-lhe 25 por cento das intenções de votos

Petro Poroshenko está pronto para negociar com a Rússia, mas há pré-condições:

“Estamos prontos para um compromisso significativo com a Rússia. Temos uma condição muito simples, a desocupação da Ucrânia para manter a soberania e integridade territorial da Ucrânia, para manter a independência da Ucrânia e, por isso, as forças russas devem sair da península da Crimeia. A Crimeia deve permanecer ucraniana e, se isso acontecer, estamos prontos para lhe dar uma autonomia significativa. Estamos prontos para dar um estatuto especial a Sebastopol, estamos prontos para conceder um regime especial de tributação a toda a Crimeia”, disse, numa entgrevista à euronews.

Os militares ucranianos começaram a sair da península, na terça-feira passada. Poroshenko tinha alertado para a situação de insegurança das famílias dos militares ali estacionados e da população de origem tártara.

E sublinhou o seu compromisso com a integridade territorial da Ucrânia:

“Não aceitamos qualquer cenário federalista. Nós não aceitamos e lutamos contra qualquer movimento separatista. Lutamos para que a Ucrânia seja unida, forte, poderosa, economicamente sustentável e acho que teremos um primeiro resultado, muito em breve.”.

Na semana passada, o FMI anunciou uma ajuda de 14 a 18 mil milhões de dólares a Kiev, mas três mil milhões podem chegar já, para evitar ruturas no tesouro.

Para isso, a Ucrânia terá de fazer reformas dolorosas.

“Esse programa de reformas deve ser feito, à medida das pessoas – disse o candidato, à euronews – caso contrário, as pessoas mais pobres não vão acreditar no programa de reformas do FMI. Agora vemos que o programa de reformas, mesmo sendo uma questão difícil, é apoiado pelo povo. Porque se trata de uma comunicação muito franca, muito direta, com as pessoas”.

Petro Poroshenko, conhecido como “o rei do chocolate”, com uma fortuna avaliada em 1,4 mil milhões de dólares, segundo a “Forbes”. A sua empresa figura na lista das 20 maiores do mundo, na indústria da confeitaria.