Última hora

Última hora

Companhias de teatro do mundo inteiro em Budapeste

Em leitura:

Companhias de teatro do mundo inteiro em Budapeste

Tamanho do texto Aa Aa

A Hungria presta homenagem ao poeta e dramaturgo Imre Madách com uma série de eventos. O Teatro Nacional em Budapeste organiza um encontro internacional com companhias de treze países. A programação inclui a exibição de vinte produções teatrais.

“Queríamos mostrar espetáculos interessantes tanto para o público como para os artistas das outras companhias. Essas companhias nunca tinha vindo a Budapeste. Já tínhamos tido encontros com os países vizinhos mas nunca tínhamos recebidos artistas de tão longe, por exemplo da Geórgia, da Bulgária, o teatro estatal Tatar, o Teatro Nacional Iraquiano ou o Teatro de Ancara da Turquia”, explicou András Kozma, dramaturgo e organizador do evento.

O Teatro Nacional do Iraque apresentou uma peça de Muhamed Al-Hadi sobre a guerra. Um homem e uma mulher foram obrigados a abandonar as casas devido à guerra. Quando a situação melhora o homem quer regressar mas a mulher quer ficar.

Labwa Arab foi distinguida o prémio de melhor atriz no Festival Internacional de Teatro de Bagdade.

“Vi muitos vídeos, conheci muitas mulheres e compreendi as suas emoções, foi muito intenso. Mesmo agora quando penso na peça e quando ensaio para as representações fico esgotada porque há muitas emoções e é uma grande responsabilidade mostrar as coisas como elas se passaram”, disse a atriz.

“Liturgia zero” é o nome da obra apresentada pelo Teatro Alexandrinsky.

Encenada por Valery Fokin, a peça é uma adaptação do romance “O Jogador” Fiódor Dostoiévski.

Sinto que há um interesse pelo Teatro russo. A nossa companhia tem 258 anos, é um dos teatros mais antigos da Europa e foi o primeiro teatro nacional na Rússia. Esta tradição é como uma base. Mas um teatro não é um museu, temos de ser frescos e vivos. É o coração da arte teatral”, sublinhou Valery Fokin.

O Teatro de Arte de Moscovo tranpôs o imaginário de Gogol para os dias de hoje. A ação da peça desenrola-se num pequeno clube russo.

Para os estudantes, o Festival é um ocasião para ver peças de vários países.

Os artistas russos tem uma linguagem teatral diferente da da Hungria. Durante o Festival, podemos ver ideias de cenários e de encenação. Ver coisas diferentes é a base da criatividade”, disse Sándor Berettyan, estudante de teatro.

O envento desenrola-se no Teatro Nacional da Hungria, em Budapeste, até ao dia 7 de Abril.