Última hora

Última hora

Ucrânia: Iatseniuk teme a "ressurreição da União Soviética"

Em leitura:

Ucrânia: Iatseniuk teme a "ressurreição da União Soviética"

Tamanho do texto Aa Aa

A tensão entre Kiev e Moscovo continua a subir.

Esta sexta-feira, o primeiro-ministro em exercício na Ucrânia, Arsenii Iatseniuk, voltou a afirmar que o país nunca reconhecerá a anexação da Crimeia e alertou para a possível ressureição da União Soviética.

“O maior desastre deste século será a ressureição da União Soviética – aquilo que Putin, quer, claramente. E este tipo de ideias perigosas tem o apoio da maioria da população russa”.

Estas declarações seguem-se às acusações sucessivas de que a Rússia e os agentes do FSB estiveram por detrás das ações dos snipers, que mataram uma centenas de pessoas durante a revolta na praça Maidan.

Moscovo continua a negar estas acusações e insiste na necessidade de defender os cidadãos russófilos, que segundo Sergei Lavrov serão discriminados na Ucrânia:

“O maior obstáculo à solução da crise está dentro da Ucrânia. Este obstáculo é o facto de as autoridades ucranianas serem incapazes de respeitar completamente e em igualdade os direitos de todos os ucranianos sem exceção”, afirma o chefe da diplomacia russa, Sergi Lavrov.

Enquanto prossegue o braço-de-ferro politico-diplomático, a Rússia continua a separar as águas na Crimeia. Esta sexta-feira cerca de 200 cadetes da Academia Naval de Sebastopol deixaram a península.

Na semana passada tinham recebido uniformes russos e um ultimato para decidirem se queriam continuar a formação na Crimeia e servir a marinha russa ou deixar o território e partirem para a Ucrânia.