Última hora

Última hora

FMI evoca crescimento económico desigual

Em leitura:

FMI evoca crescimento económico desigual

Tamanho do texto Aa Aa

As tensões geopolíticas e as fragilidades das economias emergentes pesam sobre o crescimento da economia mundial. O Fundo Monetário Internacional (FMI) baixou ligeiramente as previsões e alerta para um crescimento desigual.

A economia deverá crescer este ano 3,6%, uma décima menos do que a previsão precedente. Mas Olivier Blanchard, economista chefe do FMI, defende também que “a recuperação, que começou em outubro, está a tornar-se mais forte e mais ampla. Os vários fatores, o que limitaram o crescimento, estão lentamente a desaparecer. Por outras palavras, a recuperação está a fortalecer-se”.

Este ano, os Estados Unidos deverão crescer 2,8% e a zona euro reata com o crescimento, na ordem de 1,2%. Já a China e o Japão desaceleram para 7,5% e 1,4%, respetivamente. A tendência vai manter-se no próximo ano: China e Japão desaceleram, Estados Unidos e zona euro aceleram.

No “World Economic Outlook”, o FMI detecta uma queda da confiança dos investidores nas economias emergentes e alerta para um crescimento desigual. Uma tendência forte, sobretudo, na zona euro. A União Monetária precisa de aumentar a produtividade e o investimento, para conseguir o crescimento que necessita para fazer baixar o desemprego.

A taxa elevada de desemprego, que vai manter-se acima de 11,5% até final de 2016, pode, segundo a instituição, pode pôr em causa os ganhos alcançados nos últimos anos. Os europeus devem ainda preocupar-se e agir contra a baixa inflação, para não ameaçar a retoma do consumo e da produção.

Mas há um assunto que ganha importânica, como recorda o jornalista Stefan Grobe: “Na suas previsões, o FMI aponta também a tendência potencialmente perigosa que é o aumento das desigualdades. Até recentemente, não se considerava que tivesse um grande impacto no desenvolvimento económico, mas a crença foi posta em causa. Isso significa que na Europa e nos Estados Unidos, o debate sobre o salário mínimo e a justiça económica vai tornar-se mais difícil. “