Última hora

Em leitura:

Kagame volta a criticar França no aniversário do genocídio no Ruanda


Ruanda

Kagame volta a criticar França no aniversário do genocídio no Ruanda

As cerimónias oficiais do vigésimo aniversário do genocídio no Ruanda tiveram início esta segunda-feira em Kigali, com novas críticas do presidente Paul Kagame à França.

Num estádio completo e na presença de vários líderes internacionais, o chefe de Estado ruandês celebrou um país “renovado” e aproveitou a oportunidade para voltar a apontar responsabilidades à França na “preparação” do massacre de 1994.

Kagame afirmou que “as pessoas que planearam e executaram o genocídio eram do Ruanda, mas a História e as raízes estendem-se muito além deste maravilhoso país. É por isso, que os ruandeses continuam a procurar uma explicação mais abrangente para tudo o que aconteceu”.

No estádio de Kigali, os relatos de sobreviventes da tragédia provocaram fortes reações em vários espetadores, obrigando à intervenção de socorristas.

Durante a manhã de ontem, no memorial do genocídio, o presidente ruandês, acompanhado pelo secretário-geral da ONU, acendeu a “Chama do Luto”, que arderá durante cem dias, tantos quantos durou o massacre.

O genocídio no Ruanda é uma das manchas na história das Nações Unidas, incapazes de impedir a chacina de 800.000 pessoas, na maioria tutsis, num massacre que fez também centenas de milhares de deslocados.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Dobkin: "Ainda não foi colocado um ponto final no problema da Crimeia"