Última hora

Última hora

Nicolas Cage na pele de um condenado

Em leitura:

Nicolas Cage na pele de um condenado

Tamanho do texto Aa Aa

Nicolas Cage regressa ao grande ecrã na pele de um antigo condenado.

Apesar do passado obscuro, “Joe” torna-se uma figura tutelar para um jovem de quinze anos que vive com um pai alcoólico numa pequena cidade do Mississípi.

“Tinha tirado um ano de sabática e estava a tentar encontrar um filme onde pudesse aplicar as emoções e a sabedoria que tinha alcançado ao longo da minha experiência de vida, nos últimos dois anos, e depois li o argumento. Quando ‘Joe’ surgiu pensei que era aquilo de que eu estava à procura porque não vou ter que atuar muito, vou sentir as coisas. Tinha conteúdo emocional para encher os diálogos de uma forma verdadeira”, disse Nicolas Cage.

O papel do pai alcoólico é incarnado por um sem-abrigo sem experiência como ator. Gary Poulter morreu pouco depois de ter feito o filme.

“É uma história muito triste porque o Gary tinha talento. Ele chegava a horas ao trabalho e conhecia o papel dele apesar de não ser um ator profissional. Lembro-me de ter falado com ele, porque ele tinha um problema com o álcool apesar de não ter bebido durante as filmagens, eu disse-lhe se conseguires esperar um ano, o telefone vai tocar e a tua vida vai mudar, vai ser fantástico. E ele disse vai mesmo e eu disse sim”. Depois recebi uma chamada a dizer que ele tinha morrido e eu fiquei muito triste porque a vida dele podia ter mudado”, contou o ator norte-americano.

“Joe” realizado por David Gordon Green chega às salas de cinema portuguesas a 8 de maio.