Última hora

Última hora

Ucrânia: Casa Branca anuncia visita de Joe Biden a Kiev

Em leitura:

Ucrânia: Casa Branca anuncia visita de Joe Biden a Kiev

Tamanho do texto Aa Aa

A cinco dias de uma importante cimeira internacional em Genebra para debater o futuro imediato da Ucrânia, os Estados Unidos anunciaram a marcação de uma visita do vice-presidente a Kiev. Joe Biden desloca-se à capital ucraniana a 22 de abril para mostrar ao mundo, e em particular a Moscovo, que ao poio de Washington ao novo governo ucraniano é forte e deve ser levado a sério

O vice-presidente dos Estados Unidos tem viagem marcada para Kiev cinco dias após a realização na Suíça de uma cimeira a quatro, a qual vai juntar à mesma mesa, pela primeira vez, desde a formação do novo governo ucraniano, representações oficiais da Rússia e da Ucrânia, com intermediação dos Estados Unidos e da União Europeia.

A viagem de Joe Biden à capital ucraniana foi anunciada pela Casa Branca, depois de na véspera Washington ter revelado preocupação com escalar das tensões no leste da Ucrânia. Em várias cidades consideradas chave na região, como Donetsk, Luhansk ou Kharkiv, grupos pró-Rússia mantém um braço de ferro com o governo ucraniano, sustentados por um apoio, por enquanto meramente psicológico, das forças militares russas, que tem vindo a reforçar posições junto à fronteira entre os dois países.

Com o objetivo de apaziguar o ambiente, o primeiro-ministro ucraniano deslocou-se sexta-feira a Donetsk e encontrou-se com várias figuras influentes na região leste da Ucrânia, incluindo alguns oligarcas com peso no antigo regime de Viktor Ianukovich. O objetivo de Arseni Iatseniuk era tentar negociar uma solução diplomática para as divergências políticas que têm vindo a agravar-se na zona face ao governo sediado em Kiev e que ameaçam degenerar num confronto violento.

A visita anunciada este sábado de Joe Biden a Kiev, para daqui a semana e meia, terá também o objetivo de ajudar a desanuviar as preocupações no leste do país, havendo a promessa de serem apresentadas aos ucranianos alternativas energética à Rússia.