Última hora

Em leitura:

O poder secreto das flores


futuris

O poder secreto das flores

Em parceria com

A maior parte das plantas do nosso planeta ainda são um mistério para a ciência: podemos conhecer o seu aspeto, mas a composição química nunca foi completamente analisada.

Denis Loctier, euronews:“Os cientistas têm vindo a estudar as plantas durante muitos séculos e ainda têm muito a aprender. Aqui, em Atenas, os investigadores estão a tentar resolver alguns dos enigmas das plantas.”

Foram reunidas quase duas mil espécies de plantas, num projeto europeu de investigação: plantas do Pacífico Sul, de África, da América Latina e daqui do Mediterrâneo.

Para Nikolas Fokialakis, investigador em fitoquímica e farmacognosia, na Escola de Farmácia da Universidade de Atenas: “A Grécia com a sua bacia mediterrânica é um dos hotspots mundiais em termos de biodiversidade. Aqui muitas plantas são endémicas e únicas. Recolhemos as plantas para as estudar e para encontrar os ingredientes ativos que contêm.”

Os investigadores isolam compostos individuais a partir de extratos de plantas. Procuram de moléculas biologicamente ativas que podem ser úteis em cosméticos.

Dimitris Kletsas, Researcher in cell ageing, Institute of Biology, NCSR “Demokritos”:

Segundo Dimitris Kletsas, investigador em envelhecimento celular no Instituto de Biologia, NCSR “Demokritos”: “As células da pele envelhecem devido à exposição ao stress, como à radiação UV, por exemplo… Se encontrarmos compostos que conseguem proteger as células desta radiação, melhorando o mecanismo de defesa… Estes compostos podem ser usados na proteção da pele, ou para evitar o envelhecimento prematuro das células”.

Anteriormente, os investigadores tinham de processar Kgs de plantas para isolar os compostos individuais. Agora os instrumentos modernos permitem identificar todas as substâncias químicas presentes numa planta com apenas alguns gramas de extrato.

Leandros Skaltsounis é professor de farmacognosia e química de produtos naturais, na Escola de Farmácia da Universidade de Atenas, coordenador do projeto AGROCOS acrescenta: “O resultado importante deste projeto de investigação é a base de dados de compostos bioativos. Estudamos a atividade biológica relevante para os cosméticos ou para a utilização em agroquímicos, mas, no futuro estes compostos podem ser usados para outros fins, como em testes de diabetes, cancro e outras doenças.”

Os extratos vegetais são misturas de diferentes moléculas, algumas já foram estudadas, outras ainda são uma novidade para a ciência. Os investigadores armazenam “impressões digitais” espetrográficas de moléculas numa base de dados que os ajuda nas novas descobertas.

Esta fábrica de cosméticos utiliza extratos vegetais e outros ingredientes naturais em todos os produtos. Uniu forças com centros de investigação e universidades para criar novas receitas usando os resultados dos estudos.

Marianna Ralli, Molecular biologist, Scientific Affairs Manager, KORRES:

A bióloga molecular Marianna Ralli adianta: “Estamos à procura nos extratos e compostos com três qualidades-chave relevantes para os cosméticos: a ação antioxidante, o efeito de clareamento e a proteção UV. O nosso objetivo é descobrir o máximo possível daquilo que a natureza tem para oferecer, transportar a ciência para o laboratório vivo da natureza. Com esta investigação vamos encontrar as cinco plantas mais promissoras e esperamos ter novidades emocionantes para os consumidores. “

As empresas vão aproveitar os dados das organizações científicas para descobrir a eficiência das moléculas bioativas e qual a melhor forma de as integrar em novos produtos. Existem mais de 400 mil espécies de plantas na Terra e apenas 20% foram completamente estudadas… Há ainda muitos elementos secretos por descobrir.

www.agrocos.eu

Artigo seguinte

futuris

Vírus atacam ostras europeias