Última hora

Última hora

Arte e motociclos

Em leitura:

Arte e motociclos

Tamanho do texto Aa Aa

A mostra “Motopoétique” explora a relação entre a arte e os motociclos e reúne mais de 40 artistas internacionais.

A exposição foi concebida por Paul Ardenne e Barbara Polla, ambos apaixonados pelo universo das motas.

“Quisemos mostrar obras experimentais que usam as motos de forma diferente.
Não se trata de usá-las como ilustrações ou de falar de lugares comuns, como o da mota enquanto veículo de liberdade, mas de ir mais longe, abrir as portas da imaginação e da criação”, sublinhou Paul Ardenne.

O artista francês Laurent Faulon revestiu as motas com óleo industrial. A obra chama-se “Heavy Rider”.

“Para mim, as motas são objetos de desejo, de consumo, que estão ligados aos nossos desejos. A minha ideia era tratar a mota de forma a dar-lhe um aspeto duplo, atração e repulsão”, explicou o artista.

Moo Chew Wong tem uma visão mais convencional do universo dos motociclos.

O artista francês nascido na Malásia fez 30 pinturas recheadas de nudez feminina.

“Quando via mulheres numa mota isso fascinava-me. Achava isso muito erótico. Pinto um quadro em três ou quatro horas, usando apenas um estilete. É uma forma muito pessoal e muito rápida de pintar. É uma forma de Action painting”, disse Moo Chew Wong.

O artista britânico Chris Gilmour trabalha com materiais reciclados.

“Neste caso foram precisos dois a três a meses (para construir a obra). É o Choper do Easy Rider de Peter Fonda.
No meu trabalho, uso materiais comerciais, reciclados para representar algo muito valioso ou importante”, explicou o artista britânico.

A artista francesa Tïa- Calli Borlase revelou o lado mais majestoso dos motociclos, num universo de ressonâncias medievais.

“Revesti-a totalmente com um pano e criei um contraste com o uso do couro que faz pensar no mundo dos cavalos. É uma ponte entre o mundo dos motociclos e o dos cavalos”, afirmou a artista francesa.

A exposição pode ser visitada até ao dia 20 de abril no Museu de Arte Contemporânea de Lyon. A abertura poderá ser prolongada se houver muita procura por parte do público.