Última hora

Última hora

Medvedev: "A Ucrânia está à beira da guerra civil"

Em leitura:

Medvedev: "A Ucrânia está à beira da guerra civil"

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro russo (que) espera que as autoridades no poder em Kiev, na Ucrânia, “tenham a inteligência para evitar” uma escalada da violência na antiga república soviética.

Reiterando que o Kremlin não reconhece legitimidade ao governo provisório de Kiev, Dimitri Medvedev considerou que “a Ucrânia está à beira da guerra civil”, um facto que considera “assustador”. Por isso, o ‘delfim’ de Vladimir Putin espera que as autoridades ucranianas “tenham a inteligência para evitar conduzir o país a esse desastre”.

O governante russo também enviou mais umas farpas para os ocidentais, que acusa de fazerem “promessas intermináveis” mas que ainda não deram sequer “um euro” à Ucrânia.

À chegada para um encontro dos ministros da Defesa da União Europeia, no Luxemburgo, o secretário-geral da NATO voltou a apelar à “Rússia para fazer baixar a tensão na crise, para retirar as suas tropas da fronteira ucraniana, para parar de destabilizar a situação na Ucrânia e para afirmar claramente que não apoia as ações violentas dos separatistas pro-russos”, afirmou Anders Fogh Rasmussen.

Na segunda-feira, Barack Obama e Vladimir Putin voltaram a ter uma conversa de surdos ao telefone. Esta terça-feira, o presidente russo pediu “uma firme condenação” da ONU à operação anti-separatistas lançada por Kiev falou com Ban Ki-moon, que afirma estar “extremamente preocupado“com a “situação muito volátil” que se vive na Ucrânia.

Paralelamente, o senador norte-americano John McCain está de visita aos países bálticos para, nas suas palavras “estudar com os aliados como responder conjuntamente a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia”.