Última hora

Última hora

Última sessão do Parlamento Europeu em Estrasburgo antes das eleições de maio

Em leitura:

Última sessão do Parlamento Europeu em Estrasburgo antes das eleições de maio

Última sessão do Parlamento Europeu em Estrasburgo antes das eleições de maio
Tamanho do texto Aa Aa

Em Estrasburgo, esta semana cumpre-se a última sessão do Parlamento Europeu antes das eleições de Maio.
O correspondente da euronews na cidade francesa lembra que “nos últimos 5 anos os eurodeputados votaram mais de 22 mil vezes e aprovaram 970 leis. Vamos tentar perceber o que lembram os cidadãos destes anos.”
Perguntámos a um grupo de estudantes que estava de visita ao Parlamento Europeu, qual foi a decisão mais importante tomada nos últimos 5 anos?
As respostas foram muito vagas, os adolescentes franceses falaram da Ucrânia e a Crimeia e sublinharam que é necessário defender a democracia e a liberdade.

Hans-Gert Poettering é o eurodeputado há mais tempo no parlamento, deste a primeira eleição em 1979 e chegou mesmo a ser presidente durante dois anos.Agora deixa os corredores de Bruxelas e Estrasburgo. Poettering recorda que “em 1979 a Europa estava dividida. O meu país, a Alemanha, estava dividido e agora a Alemanha está unida, e a Estónia, Lituânia, Letónia, Polónia e Republica Checa, Eslováquia, Hungria, Eslovénia, Bulgária, Roménia e Croácia são membros da União Europeia. Em 1979 seria um milagre imaginar tudo isto.”

Nascida em 1987, a sueca Amelia Andersdotter é atualmente a eurodeputada mais nova. Andersdotter considera que “a União Europeia está constantemente a tentar adaptar-se e uma das coisas da qual sofremos nesta legislatura foi a velocidade. Tivemos de fazer tudo muito rápido. “

Esta é também a última sessão parlamentar em Estrasburgo para alguns nomes históricos desta assembleia. É o caso do francês Daniel Cohn-Bendit, dos Verdes, que deixa o lugar após duas décadas de política europeia. O eurodeputado acredita que “teve um contributo importante para demonstrar que a identidade europeia existe. E pode ter-se uma identidade europeia sem passar pela identidade nacional.”