Última hora

Última hora

Um aspirador gigante para aspirar a poluição

Em leitura:

Um aspirador gigante para aspirar a poluição

Tamanho do texto Aa Aa

E se um aspirador gigante pudesse aspirar a poluição e limpar o ar das cidades? Para o inventor Daan Roosegaarde, a ideia é perfeitamente realizável. O designer holandês concebeu o protótipo do maior aspirador do mundo. A invenção deverá ser testada em 2015.

A ideia repousa em princípios básicos da física. Bobinas de cobre enterradas no solo geram um campo eletromagnético. As partículas poluentes dentro do perímetro das bobinas são atraídas em direção ao solo, criando uma clareira de ar fresco com cerca de 50 metros de diâmetro.

“O sistema cria um campo de iões. As partículas numa nano-escala são carregadas positivamente, quando o solo está negativamente carregado, pode arrastá-lo para o chão e purificar o ar, que fica cerca de 75 a 80 por cento mais limpo. A grande vantagem da tecnologia é o facto de ser segura, já foi usada em hospitais, é económica do ponto de vista energético, para obter 30 mil metros cúbicos de ar puro, são precisos apenas 30 watts, com uma lâmpada”, explicou o artista.

Pequim é uma das cidades interessadas em adotar a solução inovadora para resolver o grave problema de poluição da cidade.

A falta de ar puro tornou-se num verdadeiro pesadelo com graves consequência na saúde dos habitantes.

O aspirador gigante melhora a qualidade do ar através da criação de corredores de ar puro que permitem a penetração dos raios de sol.

A versão concebida para a cidade de Pequim tem um diâmetro de 50 metros para produzir resultados imediatos.

O artista-inventor quer ir ainda mais longe e usar o fumo para criar joias.

“Começámos a olhar para as pequenas partículas e percebemos que a maioria é de carbono. Quando o carbono é submetido a uma pressão elevada durante duas ou três semanas, obtemos diamantes. Com mil metros cúbicos de ar poluído podemos criar um anel e podemos ter versões diferentes. Com uma grande compressão temos um diamante, mas com uma menor compressão regista-se uma cristalização, vemos o fumo mas fica lindo e ao oferecermos ou vendermos um anel desses, é como oferecer mil metros cúbicos de ar limpo à cidade de Pequim”, explicou o inventor.

O artista holandês reconhece que a invenção é antes de mais uma forma de chamar a atenção para o problema da poluição. Uma solução duradoura tem obrigatoriamente de passar por viaturas e indústrias menos poluentes e uma mudança nos estilos de vida.

O artista pretende testar a tecnologia em Pequim para que as pessoas possam sentir a diferença entre viver num meio poluído e respirar ar puro.

A capital chinesa é considerada um local ideal para testar o protótipo já que que situa numa vale com pouco vento.

Embora não elimine as fontes de poluição, a tecnologia inovadora poderá ser um alívio temporário para os cidadãos de Pequim.