Última hora

Última hora

Fórmula 1: Ecclestone diz-se inocente em caso de suborno

Em leitura:

Fórmula 1: Ecclestone diz-se inocente em caso de suborno

Tamanho do texto Aa Aa

O patrão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, de 83 anos, apresentou esta quinta-feira num tribunal de Munique e alegou estar inocente num caso de corrupção que tem por base a empresa que administra a maior competição do desporto automóvel mundial. O conhecido empresário e antigo dono do clube de futebol Queens Park Rangers é acusado de ter subornado um antigo banqueiro alemão com vista a facilitar a venda de ações da empresa que administra a Fórmula 1 a uma empresa privada, a CVC, atual acionista maioritária naquele negócio.

Apesar de estar presente, foi através de um comunicado de 100 páginas escrito em alemão e lido pelos respetivos advogados que Bernie Ecclestone negou ter subornado Gerhard Gribowsky, o antigo diretor do banco BayernLB, através de pagamentos efetuados entre 2006 e 2007, num total de 44 milhões de dólares (cerca de 31 milhões de euros).

O antigo banqueiro foi detido há três anos e condenado pela justiça alemã a uma pena de prisão de oito anos e meio, por corrupção, fraude e quebra de confiança. No processo, o Gribowsky terá denunciado Ecclestone, por suborno, o que levou a abertura deste processo contra o patrão da Formula 1.

Ecclestone, de oitenta e três anos, alega que a acusação está baseada em declarações do ex-banqueiro que são “falsas, confusas e pouco conclusivas”. Embora admita o pagamento de mais de 16 milhões de euros a Gribowsky, o milionário do desporto automóvel garante que tal se deveu a uma chantagem do antigo banqueiro, na qual, sublinhou, sentiu ter “o trabalho de uma vida em perigo.”

Na transação de ações do BayernLB para a CVC, a empresa terá pago em 2006 cerca de 830 milhões de dólares (cerca de 600 milhões de euros) por 47 por cento dos títulos que o banco detinha desde 2002 da empresa que administra a Formula 1. O copresidente da CVC, Donald Mackenzie, já avisou Ecclestone que se houver provas que o incriminem neste processo ele será demitido e afastado do “circo” dos bólides. Gribowsky, entretanto, prometeu apresentar ao tribunal provas do suborno de que terá sido alvo pelo patrão da Fórmula 1.