Última hora

Última hora

Espanha: Investigadores procuram restos mortais de D.Quixote

Em leitura:

Espanha: Investigadores procuram restos mortais de D.Quixote

Tamanho do texto Aa Aa

400 anos depois do maior génio literário espanhol ter morrido, uma equipa de cientistas inicia na segunda-feira uma operação para encontrar os restos mortais de Miguel de Cervantes.

Os peritos vão recorrer a um Radar de Penetração no Solo no convento das Trinitárias Descalças de San Ildefonso em Madrid.

A tarefa será complicada, pois a investigação por ADN não é possível, vivo há apenas o descendente do irmão, e após 12 gerações a semelhança no ADN será mínima.

“Cervantes descrevia-se como tendo um nariz curvo e uma corcunda, ou seja, sofria de artrose. Mais, ele dizia que tinha apenas seis dentes. Temos que acrescentar isto ao que toda a gente sabe: a mão esquerda magoada”, diz Francisco Etxeberria, antropologista forense.

A mão esquerda magoada, devido a um ferimento sofrido na batalha de Lepanto contra os turcos em 1571.

A complicar mais as investigações está o facto de várias pessoas terem sido enterradas no convento. Terá que haver uma triagem até se chegar aos restos mortais do autor de D. Quixote de la Mancha, o cavaleiro andante que lutava contra moinhos de vento.