Última hora

Última hora

Dia da Memória do Holocausto: Netanyahu condena reconciliação de Abbas com o Hamas

Em leitura:

Dia da Memória do Holocausto: Netanyahu condena reconciliação de Abbas com o Hamas

Tamanho do texto Aa Aa

Israel homenageou esta segunda-feira os seis milhões de judeus vítimas do nazismo. No Dia da Memória do Holocausto, uma série de atos oficiais evocou as vítimas do genocídio dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Depois das declarações de domingo do presidente palestiniano Mahmoud Abbas, que qualificou o genocídio dos judeus como o “mais hediondo crime” contra a humanidade, o primeiro ministro Benjamin Netanyahu considerou esta posição um gesto incoerente, lembrando que Abbas acabou de firmar uma reconciliação com o grupo islamista radical Hamas:
“Esta foi uma abertura face à opinião pública americana e à opinião pública mundial, uma tentativa de tranquilizar e de certo modo suavizar o facto de ter consumado um passo terrível de afastamento da paz. Fez um passo gigante de retrocesso, ao abraçar um acordo com o Hamas, que apela ao extermínio dos judeus no mundo e à erradicação de Israel, agindo diariamente contra a paz.”

Ao princípio da manhã, sirenes assinalaram em todo o país o Dia da Memória do Holocausto, a data mais importante em Israel, convidando a população a parar todas as atividades e a observar dois minutos de silêncio.

Na cerimónia comemorativa realizada no parlamento, o presidente Simon Peres , participou numa leitura de nomes de vítimas do Holocausto, recordando que parte da sua família perdeu a vida em 1942, na aldeia de Vishneva, então território polaco ocupado pelos nazis alemães e que atualemente pertence à Bielorússia.

Peres evocou a memória dos mais de dois mil judeus de Vishneva, entre os quais estavam os seus avós maternos, tios e outros familiares, encerrados na sinagoga local e quimados vivos.