Última hora

Última hora

Tailândia: "a batalha final"

Em leitura:

Tailândia: "a batalha final"

Tamanho do texto Aa Aa

Dia da batalha final, é assim que os tailandeses se referem a esta sexta-feira, o dia em que lançam mais uma investida contra o governo provisório.

Os manifestantes pretendem a queda do governo e o adiamento das eleições marcadas para 20 de julho. Apesar de milhares de pessoas participarem nas manifestações, até ao momento têm sido poucos os episódios de violência.

“Não somos nós os inimigos da polícia. O nosso único inimigo é o regime de Thaksin e a família Shinawatra” afirmou Suthep Thaugsuban, um dos líderes da revolta que desde há vários meses tem vindo a aumentar o tom das críticas contra o governo provisório.

Para além de manifestações em frente de edifícios governamentais e da polícia, os manifestantes ocuparam pacificamente as instalações da Televisão Nacional.

“Vamos ficar aqui até ganharmos. Já disse à polícia e aos militares que não vamos recorrer à força e invadir o edifício”, adiantou Thavorn Seniam, outro líder dos manifestantes.

O governo de Yingluck Shinawatra é acusado de corrupção e na quarta-feira o Tribunal Constitucional destituiu a primeira-ministra do cargo.

Yingluck Shinawatra é largamente vista como um fantoche do seu irmão, Thaksin Shinawatra, antigo primeiro-ministro, que se encontra exilado.

Os manifestantes pretendem implementar reformas a fim de limparem o governo da influência da família Shinawatra.