Última hora

Última hora

Bósnia-Herzegovina: Reaberta antiga Biblioteca Nacional da Jugoslávia

Em leitura:

Bósnia-Herzegovina: Reaberta antiga Biblioteca Nacional da Jugoslávia

Tamanho do texto Aa Aa

Foi reaberto com pompa e circunstância, na Bósnia-Herzegovina e em pleno Dia da Europa, o histórico edifício que albergou em tempos a câmara municipal de Sarajevo e que até há pouco mais de 20 anos foi a Biblioteca Nacional da Jugoslávia. O edifício vai voltar a albergar as duas funcionalidades.

Apesar do simbolismo do edifício, algumas centenas de pessoas manifestaram-se nas ruas circundantes da biblioteca contra o despesismo do governo e a má situação económica e social do país. Em fevereiro, alguns protestos chegaram mesmo ao ponto de incendiar alguns edifícios governamentais.

Construído no século XIX, o edifício está ligado a episódios marcantes da própria história da Europa. Acima de todos, o assassinato em 1914 dos herdeiros da coroa austro-húngara por um sérvio, o que provocou o início da Primeira Grande Guerra. O centenário desse episódio vai ter direito, inclusive, a um concerto especial dentro do próprio edifício, a 28 de junho, pela Orquestra Filarmónica de Viena.

Depois da desagregação da antiga Jugoslávia e pouco meses após o início da chamada Guerra da Bósnia, a 26 de agosto de 1992, a emblemática Biblioteca foi incendiada por militares sérvios que haviam invadido Sarajevo e espalharam a destruição pela cidade. Terão ardido mais de dois milhões de livros e manuscritos, alguns de grande valor histórico.

Os trabalhos de recuperação demoraram dezoito anos. Só a pintura dos 2 mil metros quadrados de intrincados arabescos nas paredes e tectos do edifício demoraram um ano. Para Bakir Izetbegovic, um dos três Presidentes da Bósnia-Herzegovina, a reconstrução da biblioteca representa “a vitória da vida sobre a morte” e a melhor resposta “para aqueles que pensavam que podiam queimar bibliotecas, assassinar pessoas e destruir cidades.”

A restauração da antiga Biblioteca Nacional da Jugoslávia está avaliados em mais de 16 milhões de euros – a União Europeia terá contribuído com metade.