Última hora

Última hora

Ehud Olmert: uma carreira política marcada por escândalos de corrupção

Em leitura:

Ehud Olmert: uma carreira política marcada por escândalos de corrupção

Tamanho do texto Aa Aa

Ehud Olmert vem juntar-se a uma longa lista de titulares de cargos públicos acusados de corrupção e condenados à prisão, em Israel, nos últimos anos.

Mas é a primeira vez que um chefe de governo é preso por corrupção.

Olmert foi condenado ao cabo de dois anos de processo, considerado culpado de ter recebido subornos no caso “Holyland” – o nome de um vasto projeto imobiliário construído numa colina de Jerusalém.

Quando era presidente da câmara da cidade, entre 1993 e 2003, Olmert terá recebido cerca de 156 mil euros, em troca da obtenção de licensas de construção.

O tribunal de Telaviv condenou também o ex-primeiro-ministro por falsos testemunhos que visavam manchar a reputação da principal testemunha da acusação.

Fragilizado por várias acusações de corrupção, durante os anos em que liderou o executivo israelita, Olmert renunciou em julho de 2008 a candidatar-se às eleições primárias do partido Kadima e afastou-se da chefia do governo.
Em 2012 fora condenado a um ano de prisão suspensa por abuso de confiança em negócios, quando era ministro da Indústria, do Comércio e do Trabalho.

Em 2012, foi também ilibado da maior parte de uma série de acusações que incluiam casos de ganhos fraudulentos e abusos de confiança. Estas absolvições faziam circular rumores do seu regresso à política.

Advogado de profissão, Olmert inciou a sua carreira política em 1970.

Foi presidente da câmara de Jerusalém durante dez anos e primeiro-ministro entre 2006 e 2009.

A defesa já anunciou que vai recorrer da decisão para o Supremo Tribunal, mas tudo indica a justiça israelita venha a fazer história e que Olmert se torne no primeiro ex-chefe de Governo de Israel a cumprir uma pena de prisão por corrupção.

Se a apelação for rejeitada, Olmert vai encontrar-se atrás das barras, como aconteceu com o antigo presidente israelita Moshé Katzav, que está a cumprir uma pena de sete anos de prisão por violação.