Última hora

Última hora

Espanha: Atlético é campeão e Tiago junta "La Liga" aos títulos inglês e francês

Em leitura:

Espanha: Atlético é campeão e Tiago junta "La Liga" aos títulos inglês e francês

Tamanho do texto Aa Aa

O Atlético de Madrid é campeão de Espanha 18 anos depois. Com o português Tiago a cumprir os 90 minutos, na decisiva e derradeira jornada de “La Liga”, a equipa orientada pelo argentino Diego Simeone foi a Barcelona empatar a um golo e segurar a vantagem de três pontos que mantinha para os catalães. A festa começou na Catalunha e prolongou-se, claro, para Madrid. Desta vez, porém, em tons de vermelho e branco.

Para Tiago, aos 33 anos, este é mais um titulo nacional a juntar ao inglês ganho ao serviço do Chelsea (2004/05) e aos dois franceses com a camisola do Olympique de Lyon (2005/06 e 2006/07).

Quanto à partida: O Barcelona estava obrigado a ganhar para revalidar o título ganho há um ano sob o comando do malogrado Tito Vilanova e, como é hábito, pegou no jogo, A bola começou, naturalmente, por rondar mais a baliza de Thibault Courtois.

Aos 34 minutos, num lance envolvente, a bola sobra para Alexis Sanchez já dentro da grande área, mas descaído para direita, e o chileno dispara um míssil que não deu hipóteses ao guarda-redes belga emprestado pelo Chelsea ao Atlético. Por esta altura, já os “colchoneros” se viam privados por lesão de Diego Costa e Arda Turan.

À imagem do que tem feito ao longo da época, a equipa de Simeone não se rendeu, arregaçou as mangas e foi à luta. Tiago viu um amarelo aos 37 minutos. Pouco depois do intervalo, num canto da direita de Gabi, o uruguiao Diego Godín desmarcou-se bem e saltou mais alto que os defesas catalães, cabeceando de forma imparável para o fundo da baliza de Pinto. A equipa moralizou-se e até final, com o português Tiago em destaque no controlo do meio-campo, segurou o empate que lhe valeu o ansiado título.

A justiça da conquista ficou expressa na forma como Camp Nou se rendeu ao novo campeão e bateu palmas perante a festa de jogadores e adeptos do Atlético de Madrid. “É um justo campeão “, afirmou Iniesta, o capitão do Barça no final do jogo: “Falhámos, como todos os outros. Tínhamos hípoteses tal como eles nesta última partida, mas eles foram melhores e não há nada a apontar. Estamos tristes por perder a Liga no último jogo. É uma época dececionante. Se tivéssemos vencido, era diferente, mas acaba-se esta temporada e acabam-se também muitas coisas”. No rescaldo do jogo, o treinador Tata Martino anunciou o que já se esperava: está de saída do clube.

Do outro lado, a celebração de Simeone, um dos autores dos golos que haviam valido há 18 anos – a 25 de maio de 1996, vitória por 2-0 sobre o Albacete – o último título conquistado pelo Atlético de Madrid e que agora voltou a ser decisivo, embora de fato e gravata. “Grandioso, não há mais palavras. Lutar, competir, humildade, contra tudo. Sabia que os jogadores não se deixariam abater, eu conheço-os”, elogiou o treinador argentino, o qual, desde que chegou ao Vicente Calderón para orientar a equipa em 2012, já conquistou quatro títulos: Liga Europa (2012), Taça do Rei, Supertaça Europeia e agora “La Liga.”

No próximo sábado, o Atlético de Madrid tem ainda outro objetivo por realizar: conquistar a primeira Liga dos Campeões da história do clube. Pela frente, no Estádio da Luz, em Lisboa, os “colchoneros” vão ter o rival Real Madrid. Diego Costa, lesionado, está quase descartado e o turco Arda Turan é uma grande duvida.

Agora, porém, é hora de festa. O Atlético de Madrid voltou a ser campeão espanhol depois de 18 anos, 1038 jogos na prova, nos quais 218 jogadores foram utilizados e a equipa foi liderada por 17 treinadores.