Última hora

Última hora

Haverá eleições no Leste da Ucrânia?

Em leitura:

Haverá eleições no Leste da Ucrânia?

Tamanho do texto Aa Aa

A situação no Leste da Ucrânia motiva grandes dúvidas por parte da comunidade internacional acerca da capacidade para organizar, no terreno, as eleições presidenciais.

De regresso após uma visita ao palco do conflito na Ucrânia, o secretário-geral adjunto da ONU para os Direitos Humanos disse ter recolhido relatos de intimidação e sequestros de dirigentes de várias comissões eleitorais.

Ivan Simonovic diz que sentiu “um medo generalizado em Donetsk, não apenas relacionado com os desafios em termos de segurança, mas também com a simples criminalidade”.

O secretário-geral da NATO, que exprimiu dúvidas sobre a vontade da Rússia de retirar as tropas da fronteira com a Ucrânia face à falta de “provas” no terreno, frisou a importância do escrutínio do próximo domingo.

Anders Fogh Rasmussen disse que “é uma oportunidade importante para encontrar uma via pacífica para avançar na direção de uma Ucrânia unida. Qualquer esforço para atrasar ou perturbar as eleições constituirá uma tentativa de negar aos ucranianos a sua escolha”.

Num sinal de que a diplomacia está ainda longe de encontrar uma saída para a crise, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros disse que os laços entre o Kremlin, a NATO e a União Europeia precisam de ser “substancialmente repensados”.

A respeito da situação no Leste ucraniano, Serguei Lavrov defende que “o primeiro passo deve ser pôr fim à operação militar [do Exército ucraniano]. Os representantes da OSCE que estão perto da zona de conflito devem tomar a iniciativa como mediadores e debater os passos para atenuar a situação”.

Apesar de reconhecer que “será difícil de organizar eleições em certas localidades do Leste”, o primeiro-ministro ucraniano considera que “não terá influência” no resultado global.