Última hora

Última hora

Ohrid: A cidade das luzes

Em leitura:

Ohrid: A cidade das luzes

Tamanho do texto Aa Aa

Ohrid é uma das comunidades mais antigas da Europa. Os primeiros habitantes chamavam-lhe “Lychnidos”, que significa “cidade das luzes”. Tem uma história preenchida e já foi um importante centro comercial de uma famosa rota antiga.

Segundo Milcho Georgievski: “A Via Egnatia era uma das principais estradas do império romano. Ligava Roma a Constantinopla. Influenciou a cidade, porque muitas pessoas passaram por este caminho, havia muito comércio, muita cultura.”

Muitas das zonas arqueológicas da cidade ainda não foram descobertas. No meio da cidade, historiadores de arte, arquitetos e arqueólogos trabalham em conjunto para desvendar estes tesouros escondidos.

Descobriram algo surpreendente: umas termas romanas do final do século 1 aC que pertencia a uma família abastada. Bojan Taneski conta a história: “Descobrimos um edifício romano. Esta é uma pequena parte desse edifício romano, as termas. Tem um belo mosaico feito de pedras pretas e brancas. Estava aqui a trabalhar quando foi descoberto e claro que foi uma grande emoção, pois este mosaico é único na Macedónia.”

Ao longo dos séculos, a cidade tornou-se um centro da cultura bizantina e do cristianismo. Era a casa de reconhecidos estudiosos, como de São Naum e também São Clemente, que trabalhou lá 30 anos e ainda é adorado pelos moradores.

“É o Patrono, o Protetor, o santo e salvador da cidade. Segura nos braços a cidade de Ohrid e também a sua universidade” – diz a guia turística Andrijana Basoska. Foi a primeira universidade eslava, fundada por São Clemente há 1100 anos e acredita-se que foi ele o inventor do alfabeto cirílico moderno.“Os melhores professores, os melhores bispos e arcebispos estudaram nessa universidade. Espalharam a alfabetização eslava, a cultura, o canto e a arte por todo o lado, nos Balcãs e na Europa”, acrescenta Andrijana Basoska.

Segundo a lenda, foram construídas 365 igrejas e mosteiros à volta de Ohrid – uma para cada dia do ano. A cidade era apelidada “a Jerusalém dos Balcãs. Muitas das joias antigas ainda estão espalhadas à volta do lago, como a milenar igreja de Santa Sofia.

“Esta foi a principal igreja onde aconteciam todas as grandes festas e eventos no Cristianismo-Ortodoxo.Quando entro nesta igreja sinto o cheiro dos séculos”, diz Milcho Georgievski.

Os espetaculares murais de estilo bizantino remontam ao século 11. Os restauradores trazem os frescos de volta à vida.

O restaurador Vlado Mukovsi adianta: “Sabe-se que neste período os artistas utilizavam grossas camadas de gesso, tinham mais tempo para pintar sobre o gesso molhado porque tinha de ficar concluído antes que secasse.”

“Terminar uma pintura é uma ótima sensação, porque salvámos outra obra-prima para as gerações futuras”, conta ainda Vlado Mukovsi.

No próximo “Macedonian Life” visitamos o canyon Matka e exploramos uma caverna mística. Viajamos também até ao lago Dojran e vemos o estilo de vida dos pescadores locais.