Última hora

Última hora

Um jornalista britânico e dois russos detidos na Ucrânia

Em leitura:

Um jornalista britânico e dois russos detidos na Ucrânia

Tamanho do texto Aa Aa

O jornalista britânico Graham Phillips, do canal de televisão Russia Today, foi detido terça-feira no sudeste da Ucrânia, onde estava em reportagem, para ser interrogado pelos serviços de segurança ucranianos, revelou a própria estação russa. O jornalista terá sido, entretanto, levado para Kiev para ser entregue ao consulado britânico na capital ucraniana.

Na última mensagem que partilhou terça-feira via Twitter, Graham Phillips, de 35 anos, disse ter estado “a gravar em segredo” uma vala comum em Mariupol.

As informações da detenção do jornalista britânico foram divulgadas pela própria Russia Today, citando fonte do Ministério do Interior ucraniano. “Foi detido pelo Ministério da Defesa, que me já transmitiu que o trasladou para Kiev, para o consulado britânico”, terá afirmado à televisão russa Larisa Volkova, da assessoria de imprensa do Ministério do Interior.

Num outro caso registado esta semana, dois jornalistas russos terão sido também detidos na Ucrânia, sob acusação de participar, e um deles de ter até orquestrado, ações militares contra o país e também de tráfico de armas. Ambos faziam parte de um grupo que surge num vídeo que terá sido registado no domingo e agora divulgado pelas forças militares ucranianas.

O grupo é acusado de estar a preparar um ataque contra o aeroporto de Kramatorsk, próximo da cidade de Slaviansk, no leste da Ucrânia. A página de Internet das forças de segurança ucranianas revela que os homens foram apanhados na posse de um lança “rockets” conhecido pela sigla MANPAD e que entre eles estariam os dois jornalistas russos

Entre os documentos apreendidos ao grupo estavam dois cartões de imprensa fotocopiados que relacionavam os dois homens ao canal televisivo Lifenews e ao jornal Izvesti, ambos meios de comunicação russos.

A agência de notícias RIA noticiou que o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, ja teria solicitado ajuda à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) para libertar os jornalistas detidos na Ucrânia.