Última hora

Última hora

Napoleão "regressa" a Elba

Em leitura:

Napoleão "regressa" a Elba

Tamanho do texto Aa Aa

Depois da desastrosa batalha de Leipzig, e na sequência do Tratado de Fontainebleau, em 1814, Napoleão Bonaparte é obrigado a abdicar do trono francês e exila-se na pequena ilha de Elba, na Toscânia.

É aqui que está a decorrer um festival gastronómico que comemora o bicentenário da chegada do imperador francês à ilha.

Foi há 200 anos que Napoleão esteve em Elba, durante onze meses, exilado, e terá levado muitas inovações que ajudaram ao desenvolvimento da ilha. Terá promovido, entre outras coisas, a plantação de oliveiras e de batatas, a criação de bichos-da-seda, a exportação de vinho e reorganizado a economia mineira.

Mas a ligação da ilha toscana a França é anterior a Napoleão:

“Dizemos que Elba foi “atirada” para a Europa porque em 1802, depois do Tratado de Florença, a ilha tornou-se território francês, tinha a mesma importância que Paris, estava no mesmo plano administrativo. A informação chegava aqui e todos concordavam que as leis adotadas em Paris deveriam ser respeitadas”, explica a historiadora Gloria Peria.

Uma mescla de culturas que se reflete também em termos gastronómicos. Uma mistura entre a cozinha francesa e a toscana, mediterrânica.

O chefe toscano Alvaro Claudi publicou o livro “À Mesa com o Imperador”, dedicado à culinária da época, que apresenta a cozinha do Palais du Moulins, o local onde Napoleão ficou instalado na ilha de Portoferraio:

“Aqui ficava o espaço reservado à cozinha, pastelaria e geladaria. Napoleão adorava chocolate. A sua carruagem, quando ia fazer piqueniques, estava sempre cheia de fruta, aguardente, vinho Chambertin e alguns bolos.

Aqui faziam-se os gelados e sorvetes e era fácil conservá-los porque, na ilha de Elba, existe um local chamado “Nevera” que é como um congelador, a neve do inverno permanece aqui acumulada mesmo durante o verão.”

Durante todo o ano de 2014, os restaurantes, que fazem parte de uma rota de degustação, oferecem aos visitantes, “menus napoleónicos” com base na cozinha tradicional de Elba do século XIX.

Está também programada uma série de eventos temáticos para celebrar o bicentenário da chegada de Napoleão à ilha.