Última hora

Em leitura:

Zona euro: crescimento da atividade económica perdeu ritmo, em abril


economia

Zona euro: crescimento da atividade económica perdeu ritmo, em abril

O crescimento da atividade privada desacelerou em maio, na zona euro , numa conjuntura marcada por pressões deflacionistas, o que deveria funcionar como elemento de pressão, para que o Banco Central Europeu (BCE), atue rapidamente. A zona euro permanece confrontada ao espetro da deflação. A próxima reunião do Banco Central Europeu está agendada para 5 de junho.

O Índice Composto de Gestores de Compra (PMI) da zona euro fixou-se a 53,9, de acordo com uma primeira estimativa do Instituto Marki, depois de ter atingido 54,0 no mês precedente, ou seja, o seu nível mais alto em quase três anos.

A zona euro atravessa atualmente o seu mais forte período de expansão dos últimos três anos e os analistas prevêem uma aceleração do crescimento em junho, podendo vir a atingir os 0,5% no segundo trimestre depois dos 0,2% registados no início do ano.

A conjuntura tem continuado a mostrar sinais de melhoria em maio, tanto do setor manufatureiro (com o Índice Composto de Gestores de Compra a 52,5 pontos), como no setor dos serviços (com o Índice Composto de Gestores de Compra a 53,5 pontos).

A zona euro atravessa atualmente o seu mais forte período de expansão dos últimos três anos, com sinais de melhoria a manter-se, em maio, tanto do setor manufatureiro, como no setor dos serviços,com o Índice de Gestores de Compra respetivamente a 52,5 e 53,5 pontos.

Peter Praet membro da direção do BCE, explica que a situação exige políticas de acomodação:
“O contexto atual é um certo tipo de pressão mais estrutural sobre os preços que é resultado de uma folga na economia e por isso temos optado por uma política monetária de acomodação”.
“Temos feito isso por exemplo, comunicando a nossa avaliação sobre a situação, dizendo que teremos de enfrentar um período relativamente longo de ligeira pressão sobre os preços, ligasdo a uma economia fraca, um crescimento moderado e um crescimento frágil.”

O Instituto Marki assinala que a zona euro está a ter em maio um dos seus mais fortes períodos de crescimento dos últimos três anos. Um crescimento generalizado, comm exceção da França, onde o
caiu em maio abaixo dos 50 pontos – num curso de recessão económica

No próximo domingo, dia das eleições europeias, Sintra recebe o primeiro “Fórum do BCE” que conta com a participação da Comissão Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

Artigo seguinte

economia

OIT: Trabalho forçado rende 110 mil milhões de euros por ano