Última hora

Última hora

Cannes abre portas a jovens cineastas através da Cinéfondation

Em leitura:

Cannes abre portas a jovens cineastas através da Cinéfondation

Tamanho do texto Aa Aa

Além de “montra artística”, o Festival de Cannes serve também para apoiar os estudantes de cinema através do prémio da Cinéfondation.

A instituição seleciona todos os anos cerca de vinte curtas e médias metragens oriundas de escolas de cinema do mundo inteiro.

Este ano a Cinefondation foi presidida pelo cineasta iraniano Abbas Kiarostami.

“O principal interesse da Cinefondation para os jovens cineastas é o facto de permitir reunir esses jovens durante dez dias e pô-los em contacto com profissionais. Essa atmosfera encoraja-os e permite-lhes obter uma certa legitimidade e assumir seriamente o seu trabalho”, frisou o realizador iraniano.

O primeiro prémio da Cinéfondation 2014 foi atribuído a Annie Silverstein da Universidade do Texas.

“Skunk” segue a vida de uma rapariga tímida de uma região rural.

A realizadora norte-americana considera que não é fácil fazer filmes e que estar em Cannes é um grande incentivo.

“Simplesmente estar aqui e fazer parte dos dezasseis filmes selecionados pela Cinefondation é uma grande honra e um reconhecimento. É muito difícil fazer filmes, é preciso fazer sacrifícios, quando há uma oportunidade destas, é muito animador, dá-nos ânimo para continuar”, disse a realizadora.

O segundo prémio foi para “Oh Lucy !” da japonesa Atsuko Hirayanagi, estudante na Universidade de Singapura.

A película conta as peripécias de uma mulher de 55 anos que recebe uma peruca loura que lhe desperta desejos íntimos que desconhecia até então.

A realizadora japonesa pretende transformar a curta-metragem numa longa.

“O prémio abre portas aos estudantes de cinema e aos realizadores de cinema independente. Podem ser reconhecidos especialmente no caso das curtas-metragens e quando não participamos em festivais internacionais, por isso a cinefondation abre-nos uma porta”. disse Atsuko Hirayanagi.

O terceiro lugar foi atribuído a dois realizadores: a britânica Daisy Jacobs pelo filme “The bigger Picture” e o italiano Fulvio Risuleo autor da comédia “Lievito Madre”.