Última hora

Última hora

Grécia: resultados das europeias questionam a política nacional

Em leitura:

Grécia: resultados das europeias questionam a política nacional

Tamanho do texto Aa Aa

As eleições para o Parlamento Europeu marcaram um ponto de viragem na política grega, com os eleitores a conceder pela primeira vez a vitória a um partido de esquerda radical, o Syriza e a dar três lugares em Bruxelas aos extremistas de direita do Aurora Dourada.

As opiniões ouvidas nas ruas da capital grega falam de expetativas novas.
Uma mulher sublinhou que este é um sinal positivo:
“É bom sinal que as pessoas tenham compreendido que algo estava mal e tenham votado de outra forma. Mas mesmo assim, deviam ter apoiado mais a esquerda e menos a extrema-direita.”

Entretanto há quem lembre que os resultados deste escrutínio traduzem igualmente uma crítica dos eleitores.
“Parece-me que os eleitores queriam enviar uma mensagem de protesto ao governo, mas querem também estabilidade política. E por isso votaram assim”, disse outro habitante de Atenas.

O Syriza conseguiu vencer estas europeias com uma vantagem de quase quatro pontos em relação aos conservadores da Nova Democracia. O líder do Syriza, Alexis Tsipras, pediu já eleições antecipadas no país.

O político grego Dimitris Papadimouli, um dos novos deputados eleitos pelo Syriza no Parlamento Europeu, salientou também este aspeto. “O Syriza está pronto para ganhar o escrutínio nacional a qualquer momento e formar um amplo governo democrático. Mesmo com um claro mandato popular, procuraremos alianças políticas e sociais”, disse Papadimouli.

Apesar da derrota do Nova Democracia por quase 3,8 por cento, o primeiro-ministro Antonis Samaras já sublinhou que este resultado não implica a necessidade de realizar eleições antecipadas.

O PASOK, parceiro de coligação do Nova Democracia, conseguiu resultados melhores que os esperados, o que significa que a coligação continua a superar a posição do Syriza.

Assim, e apesar da vitória do Syriza nas europeias, o primeiro-ministro conservador não vê razão para convocar eleições nacionais e quer avançar com as reformas que tem implementado para tirar o país da crise económica.