Última hora

Última hora

Price tag: o vandalismo à obra em Jerusalém

Em leitura:

Price tag: o vandalismo à obra em Jerusalém

Tamanho do texto Aa Aa

Jerusalém: uma cidade, três religiões. Enquanto em Jerusalém Ocidental habitam principalmente judeus, a parte Oriental é habitada por palestinianos. A Cidade Antiga está dividida em quatro bairros: Muçulmano, Cristão, Arménio e Judeu.

A coexistência é um equilíbrio difícil, em Jerusalém, e muito fácil de quebrar. Em especial no que toca à Cidade Antiga – disputada por todos.

O estatuto de Jerusalém continua a ser um dos maiores problemas no conflito israelo-palestiniano e um dos maiores obstáculos em negociações de paz. Um conflito tem várias raízes, como explica o sociólogo Gideon Aran, da Universidade Hebraica de Jerusalém, especialista em questões relacionadas com o extremismo religioso:

“Aqui, a divisão, a tensão, o conflito, não é apenas de cariz religioso. Recordemos que existe um conflito nacional e político que se sobrepõem. O conflito político e religioso soma-se ao nacional. E é claro que se torna mais difícil encontrar uma solução para ambos”, explicou Gideon Aran.

O mais recente fenómeno de intolerância são os ataques chamados “price tag” – ataques contra a população muçulmana e as forças de segurança israelitas, em retaliação por ordens de demolição nos colonatos da Cisjordânia.

São obra de bandos originários, na maioria, do colonato de Yitzhar, um bastião do extremismo na Cisjordânia. Praticam atos de vandalismo: carros queimados, inscrições ofensivas nas mesquitas, túmulos profanados. Nos últimos meses, em particular antes da visita do papa, tem havido ataques contra templos cristãos.

“Trata-se fundamentalmente de grupos de jovens vândalos, delinquentes que escolhem indiscriminadamente os alvos dos seus ataques, umas vezes muçulmanos, outras vezes cristãos. E em particular judeus – procuram criar problemas ao governo israelita, às autoridades de Israel, nos territórios ocupados e nos colonatos”, sublinhou Giden Aran.

Os serviços secretos de Israel criaram uma equipa especial para lidar com estes grupos, até ao momento sem resultados à vista. Foram feitas poucas detenções, entretanto os casos de “Price tag” têm-se multiplicado nos últimos anos.

O poeta israelita Yehuda Amihai escreveu uma vez que a carga religiosa é em Jerusalém tão forte, que qualquer coisa aqui pode tornar-se o começo de uma nova religião. Jerusalém é a capital religiosa de três confissões, mas este facto não parece suficiente para assegurar um clima de paz.