Última hora

Última hora

Lyon acolhe "Laboratório Europeu" em rescaldo de eleições

Em leitura:

Lyon acolhe "Laboratório Europeu" em rescaldo de eleições

Tamanho do texto Aa Aa

A criatividade e a cultura passeiam juntas pela cidade francesa de Lyon com o objetivo de reforçar o código genético do velho continente, no âmbito da quarta edição do Laboratório Europeu.

Trata-se de uma plataforma que promove o diálogo e o intercâmbio entre representantes de diferentes áreas da cultura, vindos dos todos os cantos do continente.

Este ano, o Laboratório Europeu acontece no rescaldo de eleições nas quais os partidos antieuropeus ganharam terreno.

“Atualmente existe um sentimento de fatalidade por parte das forças políticas, dos meios de comunicação social também, em parte. É uma fatalidade perigosa. Parece-me mais perigosa do que o resultado em si mesmo. Mas julgo que é mais a desafeição do projeto político europeu da forma como está construído, demasiado financeiro, demasiado tecnocrático, do que o próprio projeto europeu. Por isso é preciso voltar a falar verdadeiramente sobre a Europa. Sobre a vida dos europeus e em que consiste este projeto, em que medida é que somos europeus e o que é que queremos viver”, explica Vincent Carry, da organização.

Mykhailo Glubokyi é fundador da Izolyatsia, uma fundação não-governamental de arte com sede em Donetsk, no leste da Ucrânia.

Com este projeto procurou dar voz a todos os artistas que lutam para expressar a criatividade na região: “Ao longo dos últimos 23 anos, Donetsk esteve sob influência da cultura russa. Quase não se desenvolveu vida cultural ucraniana. Os programas de televisão eram russos, a música pop era russa. Não existiam produtos culturais ucranianos. Julgo que a cultura pode e deve ser uma boa base para unir as pessoas.”

A convidada de honra desta edição do “Laboratório Europeu” é a designer francesa Agnes B. A marca de roupa que assina é conhecida, mas Agnes é também realizadora de cinema, dedica-se à filantropia, apoia a sétima arte e artistas de diferentes áreas em todo o mundo.

Assume-se com 100% europeia e defende a diversidade cultural: “Descobrimos os outros através da cultura. Descobrimos melhor a diferença. Essa diferença é a nossa riqueza, mas neste momento é uma ferida. É ridículo, dramático.”