Última hora

Última hora

A primeira guerra mundial vista de múltiplas perspetivas

Em leitura:

A primeira guerra mundial vista de múltiplas perspetivas

Tamanho do texto Aa Aa

A primeira guerra mundial foi um dos conflitos mais mortíferos da história. Nove milhões de combatentes perderam a vida. A catástrofe humana foi ampliada pelo surgimento de novas tecnologias de guerra. Portugal apoiou os aliados. Calcula-se que dez mil portugueses tenham morrido no campo de batalha.

Em Berlim, o Museu de História Alemã, acaba de inaugurar uma exposição para assinalar o centenário da guerra. Em vez de uma perspetiva nacional, a mostra procura destacar o contexto europeu e a dimensão global do conflito.

É a única exposição que nos dá uma perspetiva de conjunto. Há muitas exposições temáticas ou regionais. Nós quisemos apresentar uma exposição mais global com múltiplas perspetivas. Pedimos emprestadas dezenas de objetos vindos de toda a Europa e dos Estados Unidos”, disse Alexander Koch, presidente da Fundação do Museu de História da Alemanha.

A mostra apresenta a guerra a partir de 14 pontos geográficos e de forma cronológica. Cada ponto é um campo de batalha ou um centro político.

A exposição dá especial atenção às consequências do conflito:
mostra-nos, por exemplo, uma máquina de eletrochoques que serviu para tratar as pessoas com doenças mentais causadas pela guerra.

“A primeira guerra mundial desperta muito interesse este ano por causa do aniversário, houve livros, documentário e exposições. Tornou-se evidente que é um acontecimento importante para compreender o século XX porque foi na primeira guerra mundial que nasceram as ideologias que influenciaram o século XX. O comunismo, o fascismo, o nacional-socialismo, todas essas ideologias nasceram durante a primeira guerra mundial”, disse Andreas Mix, comissário da exposição.

Um dos objetivos do museu alemão, foi mostrar a guerra a partir de múltiplos pontos de vista, o dos militares, dos políticos, dos artistas mas também o das pessoas comuns.

A exposição pode ser visitada até 30 de novembro no museu de História alemã em Berlim.