Última hora

Última hora

Farage e Le Pen à procura de aliados

Em leitura:

Farage e Le Pen à procura de aliados

Tamanho do texto Aa Aa

Face aos resultados obtidos pela Frente Nacional e Pelo UKIP nas europeias, a imprensa internacional fala de um sismo, de um choque.

Marine Le Pen, em France, Nigel Farage na Inglaterra, são os grandes vencedores das eleições europeias. Com respetivamente 25 e 27,5% dos votos, passaram primeira vez à frente dos partidos tradicionais. Mas estes dois populistas anti-União Europeia vão agora confrontar-se.

Nas suas primeiras declarações depois do escrutínio, o líder do UKIP não escondeu a satisfação:
“Este é um terramoto na política britânica. É um resultado admirável e acredito que terá profundas consequências para os líderes dos outros partidos”

Forte dos seus 24 deputados, Farage espera conservar no Parlamento o seu grupo Europa da Liberdade e Democracia. Mas diz que não aceitará nenhuma aliança com a Frente Nacional, que considera “anti-semita”.

A Frente Nacional colocará no Parlamento Europeu o mesmo número de deputados. Um grupo parlamentar deve ter pelo menos 25, mas de sete países diferentes. E é aqui que a tarefa de formar um grupo parlamentar se complica, para Le Pen como para Farage.

Esta quarta-feira, Marine Le Pen e os chefes de outros quatro partidos já aliados – o FPO austríaco, o PVV holandês, a Liga do Norte italiana e o Vlaams Belang belga anunciaram a sua aliança em conferência de imprensa. Le Pen deixou um recado a Nigel Farage:
“Trata-se de uma estratégica do senhor Farage. Está à cabeça de um grupo e gostaria de continuar. Evidentemente, gostaria também que nós não conseguíssemos formar o nosso grupo. Bem, Nigel, lamento informá-lo que vamos mesmo criar o nosso grupo.”

O grupo parlamentar Europa da Liberdade e Democracia era composto por onze partidos, perdeu alguns com estas eleições. Do outro lado, está Marine Le Pen e alguns partidos não alinhados com Farage.

Aqueles que Farage está em condições de conservar, é o Partido dos Verdadeiros Finlandeses e o Partido do Povo Dinamarquês, enquanto Le Pen tem garantidos quatro acólitos, depois da Liga do Norte ter deixado Farage em seu proveito.

Restam ainda algumas incógnitas, como o partido lituaniano Ordem e Justiça, que hesita em continuar com Farage, e dois recém-chegados: a Confederação da Polónia Independente (KPN) e a Alternativa para a Alemanha (AFD).

Com os extremistas do Jobbik húngaro, do Aurora Dourada grego e do partido neo-nazi alemão NPD – por enquanto nem Farage nem Le Pen querem alianças.

A Alternativa para a Alemanha, com o seus sete deputados, é uma das chaves destes jogos de alianças, mas não é a única. O Partido dos Democratas Suecos ou o Movimento 5 Estrelas italiano podem fazer pender a balança.
Finalmente, pode acontecer ainda que Farage e Le Pen se vejam forçados a unir forças.

2.25 ends