Última hora

Em leitura:

Google aceita "direito ao esquecimento"


EUA

Google aceita "direito ao esquecimento"

O motor de buscas norte-americano lançou um serviço que vai permitir aos utilizadores europeus removerem dados pessoais de buscas na internet.

Segundo a empresa, todos os dados considerados “irrelevantes” e desatualizados deveriam ser removidos mediante a apresentação de um pedido.

Cada pedido será então avaliado individualmente”.

Alguns internautas acham que as medidas anunciadas não vão suficientemente longe.

“Pensamos que isto não é suficiente. O utilizador da internet pode sentir-se enganado porque a Google requer a apresentação de prova de identidade, o que levanta questões de privacidade. Depois, o utilizador tem que repetir os procedimentos com outros sites e motores de busca. A Google insiste que não vai decidir nada, isso caberia aos organismos nacionais de regulação” adianta Kevin Hauzeur, porta-voz do Partido Pirata Belga.

A Google vai também criar um comité para assentar quais os critérios que podem ser efetivamente apagados. Sabe-se que serão tidos em consideração a atualidade dos dados, o interesse público e se configuram ou não registos de atividades criminosas.

O anúncio segue-se à decisão de uma das principais instâncias jurídicas da União Europeia que consagrou o direito ao esquecimento.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Ucranianos apoiam o exército com títulos do tesouro