Última hora

Última hora

Brasil 2014: A lesão de Ronaldo e o plano B de Portugal

Em leitura:

Brasil 2014: A lesão de Ronaldo e o plano B de Portugal

Tamanho do texto Aa Aa

O destino de Portugal no Campeonato do Mundo está dependente do joelho esquerdo de Cristiano Ronaldo. O atacante português é a grande referência da equipa das quinas mas irá chegar ao Brasil longe do seu melhor e a contas com uma tendinose no joelho esquerdo.

Uma lesão que se cura sobretudo com descanso, um luxo de que o capitão da seleção não dispõe.

Caso Ronaldo não recupere a tempo do jogo de dezasseis de junho, frente à Alemanha, cabe a Nani a responsabilidade de criar desequilíbrios no ataque português.

O extremo do Manchester United tem talento mais que suficiente para dar muitas alegrias a Portugal, mas depois de duas épocas para esquecer em Inglaterra as dúvidas são mais que muitas.

Rafa foi a surpresa na convocatória de Paulo Bento e caso o selecionador mantenha a aposta, o jovem do Sporting de Braga pode ser também uma das surpresas da competição.

Vieirinha correspondeu sempre que foi chamado na fase de qualificação mas passou a temporada praticamente toda lesionado. O Brasil é o palco ideal para regressar à forma. Portugal agradece.

Pólvora seca no ataque, dúvida no meio campo

O calcanhar de Aquiles da seleção portuguesa, como não podia deixar de ser, é o ataque. Hélder Postiga, Hugo Almeida e Éder trabalham muito, e bem, para a equipa, mas estão longe de ser goleadores de créditos firmados.

A grande dúvida de Paulo Bento está no meio campo. Miguel Veloso, João Moutinho e Raul Meireles foram indiscutíveis na fase de qualificação mas a super temporada de William Carvalho exige que se olhe para o médio do Sporting com outros olhos.

Com uma capacidade física invulgar nos jogadores portugueses, o jovem médio defensivo tem tudo para ser o seis da seleção nos próximos anos. Miguel Veloso, que vem de uma temporada bastante irregular ao serviço do Dynamo Kiev deverá ser o sacrificado.

Na defesa tudo parece estar decidido. João Pereira, Pepe, Bruno Alves e Fábio Coentrão jogam praticamente de olhos fechados. A lesão de Pepe veio baralhar as contas mas nem por isso o central do Real Madrid deixa de ser um indiscutível para Paulo Bento.

Ronaldo precisa de se superar… novamente

Dado o historial em mundiais, com apenas seis presenças na competição e duas nas meias-finais, dificilmente Portugal pode ser considerado favorito no Brasil.

Com Cristiano Ronaldo em forma, tudo é possível, mas um prognóstico mais realista aponta para um lugar nos quartos-de-final.

A lesão do capitão (a lembrar o caso de Figo em 2002) não é um bom augúrio, nem a maldição da Bola de Ouro. Nunca o melhor jogador do mundo conseguiu brilhar no maior palco do futebol mundial. Ronaldo mais uma vez precisa de fazer história.