Última hora

Última hora

Os traços da guerra nos artistas sírios refugiados

Em leitura:

Os traços da guerra nos artistas sírios refugiados

Tamanho do texto Aa Aa

Fugiram da guerra na Síria, mas os traços do conflito tomaram conta das suas obras, agora que vivem refugiados no Líbano, a espera de regressar a casa, como mais de 2,5 milhões de compatriotas.

É o caso de Rabee Kiwan, um pintor sírio refugiado num modesto apartamento de Beirute.

Costumava utilizar muitas cores, agora a sua pintura é quase monocromática, com muitos negros e altos contrastes. A temática dos trabalhos também sofreu metamorfoses por causa do conflito:

“O que mudou no meu trabalho foi que, antes da guerra, trabalhava em temas mais gerais, questões sociais, psicológicas ou sobre os problemas das pessoas em geral. Agora é mais específico, às vezes tem diretamente a ver com o que acontece e outras vezes é sobre os efeitos que os acontecimentos têm em mim, nas outras pessoas, no ambiente que nos rodeia e sobre toda a situação que estamos a viver”.

Fadi al Hamwi deixou Damasco há mais de um ano e vive agora em Beirute, mas no seu trabalho tem ainda bem presentes as memórias daquelas longas noites passadas no seu estúdio na capital síria enquanto o conflito alastrava nas ruas:

“Estás num lugar seguro a fazer o que gostas. Pintas, lês, escreves ou trabalhas enquanto escutas este som que é simplesmente o ruído de pessoas que estão a morrer num lugar qualquer. É uma situação em que sabes que as pessoas estão a morrer à tua volta mas tu não podes fazer nada”.

Em 2012, a síria Raghad Mardini criou a “ARA”, uma residência para artistas em Aley, nas encostas do Monte Líbano, nos arredores de Beirute. Objetivo: ajudar os artistas que se refugiam do conflito na Síria e dar-lhes um lugar seguro para trabalharem.

“Quando vêm da Síria, chegam muito cansados, exaustos. Chegam pessimistas, deprimidos e mal conseguem pensar num futuro. O desespero e a dor são as coisas que nos unem a todos”, explica Mardini.

Sami Daoud é um sírio, crítico de arte e curador. Mora no Curdistão iraquiano e foi convidado a dar uma série de palestras em Beirute sobre a guerra e a expressão artística. Daoud acredita que os artistas sírios estão a desempenhar um papel muito importante para o futuro do país em guerra:

“As políticas que interferem na situação na Síria veneram a violência, transformaram a violência em algo sagrado. Violência tornou-se um Deus. E quando a violência se torna um Deus, voltamos ao estádio primitivo do ser humano, o da barbárie na sociedade”.

“Neste caso, o que defende a sociedade é a arte em todas as suas formas: a fotografia, a escultura, a música ou a poesia. Serve-nos para preservar a tendência humanista na sociedade, para preservar a semente humana para que, no futuro, possamos construir novamente uma sociedade civil “, conclui.

Para alguns artistas sírios a relação entre a arte e a guerra é um paradoxo já que, desde o início do conflito, o interesse das galerias e colecionadores de todo o mundo nas suas obras não parou de crescer.