Última hora

Última hora

"La Copa de Todos": A canção do Mundial do Brasil em versão espanhola

Em leitura:

"La Copa de Todos": A canção do Mundial do Brasil em versão espanhola

Tamanho do texto Aa Aa

O Mundial de Futebol no Brasil está aí à porta. Já com 7 prémios Grammy latinos no palmarés, Carlos Vives dá voz a “La Copa de Todos”, a versão espanhola da canção oficial do Campeonato do Mundo orgnizado pela FIFA.

“Apesar de poder parecer um pouco arrogante, acredito que, entre todas as que escutei, a minha versão da canção é a que representa melhor a sensação de um homem que grita ‘golo’”, confessa Vives.

Antigo ator de telenovelas, o artista colombiano vive hoje entre Miami e Bogotá.

Os primeiros passos no mundo da música foram bastante criticados, mas Vives não desistiu e ganhou notoriedade quando começou a revisitar o ‘Vallenatto’, um género de folclore colombiano, que misturou com influências rock e pop.

“Pode parecer uma piada, mas quando comecei a fazer música já tinha trabalhado o ‘Vallenato’ para a televisão de uma forma tradicional, convencional. Também fiz parte do movimento de rock hip-hop e queria ter a minha banda. Mas que nome havia de dar-lhe? Decidi-me por ‘Carlos Vives e la Provincia’. Província porque com o tempo descobri que muitos músicos, mas também outros profissionais que chegaram à minha cidade, Santa Marta, vinham da província. Muitos dos melhores artistas que vi, vieram de aldeias na província”, refere.

Durante oito anos, Vives foi praticamente banido mundo do entretenimento. É por isso que um dos seus maiores sucessos se chama ‘Volví a nacer’ (Renasci).

Depois da travessia do deserto, em 2010, Vives foi convidado do Fórum Económico Mundial, em Davos, para falar do papel da América Latina à escala global. Tornou-se entretanto embaixador da Unicef e foi distinguido com a Ordem das Letras, em França.

Uma carreira com altos e baixos que tem um segredo:

“Nunca deixar de trabalhar. Estive 8 anos desempregado, mas creio que a força veio do facto de nunca ter deixado de acreditar no que faço e mesmo que a vida me tivesse levado por outros caminhos, estaria igualmente agradecido, porque teria trabalhado, suado. Ter-me-ia custado o mesmo”, conclui.