Última hora

Última hora

Brasil multiplica medidas de segurança para o Mundial

Em leitura:

Brasil multiplica medidas de segurança para o Mundial

Tamanho do texto Aa Aa

A segurança é a prioridade das prioridades para as autoridades brasileiras, a poucos dias do pontapé de saída do Mundial. O país espera cerca de 600 mil visitantes.

O plano de segurança do Brasil para o Mundial de 2014 é amplo e minucioso: os cenários previstos vão das lutas entre adeptos até aos ataques terroristas. Mas o que mais preocupa os organizadores são as manifestações.

O Centro Integrado de Comando e Controlo (CICC), criado no ano passado, é o orgulho do Estado do Rio de Janeiro.

Com aparelhos de alta tecnologia, como câmaras, aparelhos de geolocalização, mapas e sensores áudio, este “Big Brother” securitário vai ajudar a manter a ordem durante o Mundial.

“Temos também o nosso gabinete de gestão de crises, ou seja, tudo o que fuja da normalidade, que saia do controlo, as autoridades são chamadas para deliberar o que fazer”, explica Edval Novaes, diretor-adjunto deste centro.

Na sala de controlo, um “videowall” com 17 metros de comprimento está ligado a três mil câmaras e permite seguir a situação em tempo real.

Ao todo, 157.000 militares e polícias vão ser destacados para as cidades-sede dos jogos do Mundial. Mais de cem polícias de 40 países vão colaborar com as autoridades brasileiras.

Mesmo se a possibilidade de um ataque terrorista no Brasil é muito remota, o governo ajustou os protocolos de prevenção e combate. O exército tem equipas de defesa química, radiológica e nuclear.

Foram já feitas várias simulações e treinos. No fim de maio, as forças de segurança brasileiras fizeram um simulacro de ataque radioativo no metro do Rio de Janeiro.

Sábado, os serviços de emergência fizeram uma simulação da evacuação do Estádio do Maracanã, o rei dos estádios deste mundial, que se estreia no dia 15 junho com o Argentina-Bósnia.