Última hora

Última hora

Alice Oliveira, porta-voz das prostitutas do Ceará: "Quem vai ganhar com a Copa não é o brasileiro"

Em leitura:

Alice Oliveira, porta-voz das prostitutas do Ceará: "Quem vai ganhar com a Copa não é o brasileiro"

Tamanho do texto Aa Aa

Alice Oliveira é a porta-voz da Associação dos Trabalhadores do Sexo da Região do Ceará, no nordeste do Brasil. Em conversa com a nossa repórter, ela fala do impacto do Mundial de Futebol na vida dos brasileiros e acusa a FIFA de ser a única vencedora da Copa. Uma FIFA que, inclusive, muda até as leis do país.

Alice Oliveira (transcrição integral em Português Brasileiro): Quem vai ganhar com a Copa não é o brasileiro! Não é! Ah… porque o estádio vai ficar, porque as ruas vão ficar… Mas isso teria de ficar de qualquer jeito! A mobilidade do Brasil tem de ser desenvolvida, independentemente de ter Copa ou não ter Copa. A questão do turismo também tem de ser, porque é uma das vias do Brasil, que tem lugares belíssimos e que tem de se investir no turismo. Porque há uma indústria.

Agora o que não se pode permitir é que saia um avião lá da Europa, lotado de homens, para vir para cá, simplesmente com um único foco: não é conhecer as praias, não é conhecer o Sertão; conhecer as serras que o Ceará, aqui, tem, ou qualquer outro local do Brasil. É para conhecer as mulheres!

Eles saem de lá já com os livros – os “books” – onde escolheram as meninas com quem vão ficar! Há um mercado muito grande, sim. Pessoas ganhando muita grana, sim. Agora, não são pessoas que estão a um nível mais baixo. São pessoas muito poderosas, para manter esse esquema. E aí, como é que você desmonta esse esquema?! Você não consegue desmontar. Então, essas pessoas estão ganhando.

Mas a população brasileira não está ganhando. Quem está ganhando é a FIFA. Esta é a Copa da FIFA. A propagando, inclusive, diz isso: a Copa da FIFA. Então é da FIFA, é a FIFA que vai ganhar; são os empresários que vão ganhar. São os empresários do futebol que estão ganhando.

Existe uma cultura aqui no Brasil… Por exemplo: vai ter um grande ‘show’, um grande evento, alguma coisa, e as pessoas que estão no trabalho informal, que têm os carrinhos delas, montam atrás como se fosse um pequeno restaurantezinho – ali vende cachorro quente, vende sanduíche… Aqui, na beira-mar, se você passar à noite, está lotado disso. E está toda o mundo se preparando: ‘a Copa vem, vou poder colocar’! Mas há uma lei que diz que não pode ficar, que só pode fazer alguma coisa a – se não me engano – dois ou três quilômetros do estádio.

E aqui, sem ser Copa, você encontra, naquelas áreas… o torcedor está chegando para ver um jogo, está com fome e passa ali e compra um cachorro quente quase na porta do estádio.

Mas este tipo de trabalho, não vai ter! Quem queria estar se preparando – comprando suas bebidas, comprando as coisas antecipadamente -, pensando na Copa, se fizer isso ainda corre o risco de ser preso.

E aí, que benefício é que nós temos?! Por exemplo, se [o dono de] um bar qualquer aqui da beira-mar quiser reunir aqueles clientes que são ‘habitués’ daquele local e pôr um telão para passar o jogo, ele corre o risco de ser preso. Ele só pode fazer isso se pagar alguma coisa para a dona, a FIFA. Quem ganha?!

Todos os investimentos que estão sendo feitos, o Brasil não precisaria ter estádios da maneira que estão sendo colocados hoje, por conta da Copa, se fosse um processo normal. Se fosse um processo normal, não precisaria ter. O Castelão funcionava muito bem. Poderíamos fazer algumas reformas: recentemente tinha passado por uma reforma! Claro que, para a chegada da Copa, precisava.

Nós já tivemos a experiência do que foi a Copa das Confederações. E as pessoas já conseguiram perceber que ninguém, o público, a população cearense, por exemplo, que queria, que achava que podia ganhar alguma coisa, se beneficiar não pode!

Os táxis: algum táxi vai poder ficar próximo?! Não pode, não! São táxis credenciados [que vão poder]. Tem todo um esquema montado. Para você pegar um credenciamento, você tem de pagar uma pipa de grana.

Quem é que vai ganhar nisso tudo? Com certeza não é o povo brasileiro! Com certeza, não é! É lamentável.

Essa discussão toda deveria ter sido feita e aprofundada quando se pensou que se pudesse concorrer à vinda da Copa. ‘Vamos ver, se é possível, se não é…’ A comunidade toda, participar…

Estão aí, as manifestações todas contra a vinda da Copa. E as coisas vão complicar-se. Vamos ter muitas prisões, vamos ter mortes, pessoas feridas… porque as manifestações vão acontecer. E a polícia está se preparando para uma guerra. Claramente é isso: está se preparando para uma guerra!

Tem uma manifestação estudantil como teve ontem à noite e a polícia de choque estava toda montada, encurralando os estudantes que queriam a questão do ‘passe livre’ – que ‘e um direito.

O país tem uma Constituição, mas no período da Copa a Constituição está no lixo! Ela está no lixo! O que vale é a constituição-FIFA. A FIFA mudou leis! Tem uma semana que foi aprovada uma lei que para qualquer turista, qualquer estrangeiro, ele não precisa passar pelo consulado, não precisa passar por lado nenhum: vai na internet, preenche na internet toda a documentação e ele entra no país! Cadê o controle?! Onde que está?! Quem é essa pessoa que está vindo?! Ou seja, perdemos todas as leis, perdemos respeito por nós mesmos. Em função do quê?!

Sabe? Para mim, a Copa não é legado deixar um estádio, deixar a famosa mobilidade… Isso é obrigação do governo! O governo tem que dar mobilidade, tem que dar estrutura, tem que dar todas as condições para todos os brasileiros poderem se sentir bem no seu próprio país. E para quem vem de fora – que será sempre muito bem-vindo – respeitar o que está aqui dentro. Acho que isso é fundamental. E não fazer como está se fazendo: o governo rasgou todas as suas leis e pôs dentro do saco do lixo. Então eu não vejo ganho nisso. Nem um pouco!