Última hora

Última hora

Refugiados iraquianos provocam revolta no Curdistão

Em leitura:

Refugiados iraquianos provocam revolta no Curdistão

Tamanho do texto Aa Aa

À medida que os combatentes sunitas se aproximam, aumenta o fluxo de refugiados no norte do Iraque. São habitantes de Albu Hassan, uma localidade turcomana xiita. Agora famílias inteiras trazem os haveres que conseguiram recolher para procurar abrigo na cidade de Tuz Khurmato, de maioria curda.

Não muito longe, em Khabat, perto de Arbil, é precisamente a chegada massiva de deslocados que está a provocar revolta. O combustível está a ser racionado nesta região do Curdistão iraquiano onde se estima que tenham chegado, só na última semana, cerca de 300 mil pessoas, fugidas dos jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Muhamed Ameen é taxista e conta que já aqui está na fila “há dois dias. Mas há carros que vêm de Nínive e que levam o combustível porque fizeram um acordo com o dono da estação de serviço. Por isso, é tudo corrupto.”

No sul do país, em Bassorá, milhares de xiitas, apoiantes do clérigo Moqtada al-Sadr, participaram numa espécie de parada militar, uma demonstração de poder bélico face à ameaça dos jihadistas que ocuparam, na sexta-feira, a cidade de Al-Qaim, um importante entreposto comercial junto à fronteira síria.