Última hora

Última hora

Brasil 2014: Golo caído do céu mantém Portugal ligado à máquina

Em leitura:

Brasil 2014: Golo caído do céu mantém Portugal ligado à máquina

Tamanho do texto Aa Aa

Portugal ainda sonha com o apuramento para os oitavos-de-final depois de um empate frente aos Estados Unidos. Silvestre Varela evitou a eliminação com um golo tardio e quando já se festejava o apuramento dos norte-americanos nas bancadas da Arena Amazónia.

No entanto dificilmente o sonho se tornará em realidade. A última jornada do grupo G coloca frente a frente Alemanha e Estados Unidos, um encontro em que um empate serve às mil maravilhas para ambas as equipas.

Todos sabemos no que isto costuma dar mas antes de apontarmos o dedo, convém recordar o nulo entre Portugal e Brasil, há quatro anos na África do Sul e que permitiu a ambas as equipas seguirem em frente. Na altura, ninguém pareceu importar-se com isso.

Quanto ao jogo propriamente dito, Portugal esteve melhor que no encontro de estreia frente à Alemanha. Pior era difícil, é certo, mas quando Nani abriu o ativo logo aos cinco minutos milhões de portugueses respiraram de alívio. Estava feito o mais difícil. A Alemanha não tinha passado de um pesadelo.

Infelizmente esses mesmos milhões de portugueses também esperavam que Portugal embalasse para uma grande exibição e isso pura e simplesmente não aconteceu.

Os pecados da equipa das quinas

Hélder Postiga saiu com uma lesão muscular ainda antes do quarto de hora de jogo e tantas lesões musculares na equipa não podem ser apenas azar.

O lado esquerdo da defesa portuguesa foi uma via rápida constante para os norte-americanos. Sem Fábio Coentrão foi André Almeida o escolhido mas parece não ter convencido Paulo Bento. Após o descanso deu lugar a Miguel Veloso.

Ambos tentaram “remendar” o melhor que conseguiram mas era uma tarefa ingrata para um homem só. O buraco no lado esquerdo da defesa é um problema que não se resume a quem é o lateral titular. Está já no ADN da equipa.

Também o meio campo esteve muito macio. Os Estados Unidos fartaram-se de testar Beto com remates de meia distância. Tantas vezes o cântaro foi à fonte que foi de fora da área que chegaram à igualdade, já no segundo tempo.

Jermaine Jones, na sequência de um pontapé de canto, atirou a contar.

Antes, porém, Portugal teve duas oportunidades soberanas para fazer o 2-0, quiçá matar o encontro. A fechar o primeiro tempo, Nani rematou de longe ao poste, na recarga Éder obrigou Tim Howard à defesa da noite.

Já no segundo tempo, Cristiano Ronaldo, isolado, teve um remate perfeitamente desastrado. Dois minutos depois, chegou o empate. Até podia ter acontecido antes mas Ricardo Costa cortou sobre a linha um remate de Michael Bradley.

Portugal reagiu bem. A entrada de William deu qualidade ao meio campo, oportunidades de golo é que nem vê-las.

Já os Estados Unidos não se fizeram rogados. Aproveitando mais uma falha coletiva da defesa portuguesa, Clint Dempsey aproveitou da melhor forma um cruzamento de Zusi e de barriga colocou os norte-americanos em vantagem.

Quinze minutos fora do mundial

Faltavam dez minutos para os noventa. Portugal baixou os braços, deixou de acreditar. Limitou-se ao costumeiro chuveirinho. Sem ideias, sem futebol, sem esperança.

Quando já se aguardava o apito final, no meio de tantas bolas despejadas para a área surgiu um cruzamento com conta, peso e medida. Silvestre Varela vestiu a pela de salvador da pátria, no último de cinco minutos de descontos, e evitou que Portugal fosse (já) eliminado.

A sina lusitana obrigar-nos-á a vencer o Gana e esperar pelo desfecho do Alemanha-Estados Unidos. Matematicamente até pode haver hipóteses de seguir em frente, esperança é que já não há.

Equipas
Portugal: Beto, João Pereira, Ricardo Costa, Bruno Alves, André Almeida (William Carvalho), João Moutinho, Miguel Veloso, Raul Meireles (Varela), Nani, Hélder Postiga (Éder), Cristiano Ronaldo

Estados Unidos: Tim Howard, Johnson, Geoff Cameron, Matt Besler, Beasley, Beckerman, Bedoya (Yedlin), Jermaine Jones, Bradley, Graham Zusi (Omar Gonzalez), Clint Dempsey (Chris Wondolowski )

Árbitro: Néstor Pitana (Arg)
Assistentes: Hernán Maidana (Arg), Juan Pablo Belatti (Arg)
Quarto árbitro: Walter López (Gua)