Última hora

Última hora

Polinizar o Futuro

Em leitura:

Polinizar o Futuro

Tamanho do texto Aa Aa

Os insetos polinizadores como as abelhas estão a desaparecer na Europa. Os investigadores sabem que as causas são múltiplas como a: perda do habitat, agentes patogénicos, espécies exóticas, os fertilizantes agrícolas e até mesmo as alterações climáticas. E as consequências são dramáticas: as abelhas e os outros polinizadores são as sentinelas dos ecossistemas. O seu declínio afeta negativamente as plantas selvagens, a produção agrícola e até mesmo a nutrição humana.

Simon Potts, biólogo e coordenador do projeto STEP na Universidade de Reading explica: “Este é um morango que foi muito bem polinizado. Tem boa cor, um bom tamanho e é simétrico. Podemos compará-lo a um morango mal polinizado. Podemos ver que é um pouco menor, é disforme, não é muito atraente e tem menos açúcar provavelmente… Os polinizadores têm um papel muito importante na agricultura e se existirem em menor quantidade na Europa, vamos ter problemas no cultivo de alimentos de boa qualidade.”

Os investigadores de um projeto europeu de investigação estão a trabalhar para avaliar o problema e para encontrar soluções.

Victoria Wickens, é ecologista agrícola, na Universidade de Reading: “Pensámos: se conseguirmos colocar espécies de flores aqui, podemos tirar o máximo proveito desta terra. Podemos atrair os polinizadores com uma mistura muito específica de flores. Algo que vai atrair as diferentes espécies de polinizadores… As abelhas… E todos os insetos que podem polinizar as plantações. Acreditamos que, desta forma, podem vir para aqui, podem aumentar em número e passar para as culturas”.

Segundo a cientista Jennifer Wickens, da Universidade de Reading, o trabalho de campo e de laboratório indicam que esta medida é eficaz: “Os resultados mostram que as flores estão a aumentar os polinizadores em 500%, isto em termos de quantidade. Mas em termos de diversidade, também estamos a encontrar espécies raras que vêm para os terrenos agrícolas. É entusiasmante, porque significa que estamos a conseguir que os polinizadores saiam dos habitats protegidos para a agricultura”.

O biólogo Duncan Coston exemplifica:“Temos aqui dois cestos. Um com produtos que não necessitam de polinização. E outro com produtos que exigem alguma forma de polinização através de insetos… Por, exemplo: “Laranjas… Cidra… Pêras… Sabão… Um pouco de café… E algumas amêndoas… Sem café, ou chocolate, ou sem folhados de chocolate… O pequeno almoço começa a parecer um pouco mais aborrecido”.

Os especialistas em polinização organizam regularmente campanhas de sensibilização nas escolas ou em supermercados como este, perto de Reading, no Reino Unido.

“É uma espécie de mosquito que poliniza a planta do cacau. Sem esta espécie de mosquito, não há chocolate. Existem certas espécies de abelhas que polinizam o café. E, sem elas, não teríamos café. O algodão precisa de ser polinizado por insetos. Sem os polinizadores, a quantidade e o rendimento de todos estes produtos cairia drasticamente e o seu custo acabaria por disparar”, conclui Duncan Coston.

Inverter o declínio dos polinizadores ainda é possível, dizem os investigadores. Mas o tempo pode estar a terminar.

http://step-project.net