Última hora

Última hora

O "Macho" pelo fotógrafo alemão Juergen Teller

Em leitura:

O "Macho" pelo fotógrafo alemão Juergen Teller

Tamanho do texto Aa Aa

“Macho” é a primeira mostra individual do fotógrafo alemão Juergen Teller, patente na Fundação DESTE, em Atenas, na Grécia, até 29 de outubro.

A exposição ironiza o narcisismo masculino e inspira-se no trabalho que o fotógrafo realizou para uma outra mostra, “Masculine/Masculine”, do Museu d ‘Orsay, em Paris. Muitos dos quadros incluem auto retratos:

“É a primeira vez que Juergen Teller mostra os seus auto retratos, em conjunto, numa exposição. Ele começou a fotografá-los nos últimos 25 anos. Esta exposição é como entrar na sua cabeça. É um pecado tentar descrever a sua obra. A sua principal característica é a liberdade absoluta. Essa liberdade que nos faz quebrar todas as regras”, adianta Marina Fokidis, curadora da Fundação grega.

A série “Masculine” está incluída na exposição. São fotografias de clássicos da escultura e pintura, os ideais da masculinidade, em contraponto com os auto retratos do artista. Retratos que espelham a relação do fotógrafo com este homem a que hoje chamamos de metrossexual:

“Quando olhamos para estas esculturas gregas, ou para o trabalho de Leni Riefenstahl, Herbert List, ou Robert Mapplethorpe, vemos sempre homens que parecem perfeitos. Mas eles nunca suam. Nunca vemos a difícil ação de levantar algo. A palavra “Macho” tem muitas conotações negativas. Para mim, é um título irónico”, explica Teller.

Para o fotógrafo as mudanças nas sociedades modernas fazem as pessoas virar-se, cada vez mais, para si próprias:

“As pessoas estão a ficar cada vez mais vazias. Toda a gente põe Bottox e faz cirurgias plásticas. As pessoas tomam cada vez mais conta de si próprias. Comem comida saudável e fazem esses estúpidos auto retratos, as selfies. Então pensei, bem, vou usar estas salas, vou usar estas três salas, e fazer o mesmo”, acrescenta o artista.

A maior ironia, é que Teleer é um consagrado fotógrafo de moda, ele capta, com a sua câmara, corpos esbeltos, magros, aquilo que é socialmente considerado como perfeito.