Última hora

Última hora

Combatentes sunitas "reimplantam" Califado entre Iraque e Síria

Em leitura:

Combatentes sunitas "reimplantam" Califado entre Iraque e Síria

Tamanho do texto Aa Aa

Depois de uma ofensiva relâmpago no norte do Iraque, o grupo armado sunita “Estado Islâmico do Iraque e do Levante” proclamou, este domingo, a “reimplantação do Califado” entre o norte da Síria e o leste do Iraque.

Num vídeo publicado na Internet, os combatentes sunitas anunciaram que, a partir de agora, passam a chamar-se “Estado Islâmico” tendo declarado o líder dos rebeldes – Abu Bakr al-Baghdadi – como o novo “Califa”, o sucessor do profeta Maomé.

Um anúncio que representa uma provocação para a Al-Qaida, que tinha condenado as ações do grupo, assim como para vários países do Golfo que vêem na criação do novo estado islâmico um desafio à sua influência na região.

O anúncio da cisão do território ocorre num momento em que o exército iraquiano prossegue, desde sábado, uma contra-ofensiva militar para recuperar o controlo de Tikrit, no norte do Iraque, quando conta com o apoio de mais de uma centena de conselheiros americanos e do equipamento militar iraniano e russo.

Uma batalha que ameaça aprofundar as divisões entre as comunidades do país, a começar no parlamento, que deverá reunir-se na terça-feira para tentar aprovar a criação de um governo de união nacional.

O principal bloco xiita laico afirmou já que vai boicotar a sessão quando a continuação no cargo do atual primeiro-ministro, o xiita, Nuri Al-Maliki, está longe de ser consensual entre os deputados.

Em paralelo, o primeiro-ministro israelita. Benjamin Nethanyahu, declarou apoiar a criação de um estado independente curdo na até agora região autónoma do Curdistão, no norte do Iraque. Uma zona petrolífera onde os “peshmergas”, exército local, conseguiram travar a progressão dos rebeldes. Uma eventual independência da região, rejeitada pelos Estados Unidos, poderia acelerar a partição do país quando a comunidade internacional continua a apelar às autoridades iraquianas para que encontrem um consenso em torno de um executivo de união nacional.